Luciana Capiberibe/PSB/Divulgação
Luciana Capiberibe/PSB/Divulgação

Pré-candidato, Ciro acusa PSDB de ter 'destruído o Brasil'

"Eu não vou deixar que eles enganem o povo de novo", afirmou o deputado federal

ALCINÉA CAVALCANTE, Agencia Estado

09 Outubro 2009 | 15h35

O deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PSB-CE) acusou o PSDB de ter destruído o Brasil. "O marco de economia que eles (o governo Fernando Henrique Cardoso) implantaram destruiu o País", disse ele nesta sexta-feira, 9, em entrevista coletiva. E avaliou que o Brasil quebrou três vezes, passou sete anos sob domínio do FMI, enfrentou o apagão no setor elétrico, perdeu um terço dos mestres e doutores do ensino público superior e 70% das estradas.

 

Veja Também

linkLíderes do PSDB-SP iniciam ofensiva contra Ciro Gomes

linkDilma diz que polarização da campanha com PSDB 'é inexorável'

linkLula autoriza 'blitz' para unir base em torno de Dilma

 

Na opinião do ex-ministro, a maior vítima do governo FHC foi a Amazônia, seguida da região Nordeste. A política implantada pelo PSDB, segundo Ciro, fez muito mal a todos os pobres do Brasil e sob o ponto de vista territorial eliminou qualquer expectativa de superação dos desequilíbrios regionais. "Eu não vou deixar que eles enganem o povo de novo", disse.

 

Ciro reafirmou que está na disputa pela Presidência e que, antes de tomar essa decisão, conversou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem ouviu a orientação para mudar seu domicílio eleitoral para São Paulo, mas que a decisão coube ao PSB. "O partido entendeu que pra ser um bom presidente da República, eu teria que aprofundar minhas relações com São Paulo, que é o Estado mais importante sob certos critérios, como economia e cultura", disse. Ele negou que essa mudança de domicílio faça parte de um plano B para ser candidato ao governo de São Paulo caso sua candidatura à Presidência não se consolide.

 

Ao falar sobre parte do PT que defende sua candidatura ao governo paulista, o deputado mandou um recado aos petistas: "É sempre muito gratificante ver os companheiros do PT fazerem insistentemente menções ao meu nome, dizendo que eu deveria fazer isso ou aquilo, mas quero lembrar que eu sou do PSB e o PSB é um partido e não uma sublegenda".

 

Ciro descartou ser vice da ministra-chefe da Casa Civil e virtual candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, e disse que sabe que o PT já está negociando essa vaga com o PMDB. Ele elogiou a senadora Marina Silva (PV-AC), a quem chamou de "irmãzinha".

 

O deputado não condenou o presidente Lula por fazer alianças com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) ou com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Disse que, depois do escândalo do mensalão, o PT perdeu "um pouco" do idealismo e essas alianças foram necessárias para garantir a governabilidade, e adiantou que em sua campanha à Presidência da República vai pregar a renovação do Congresso Nacional, "para acabar com esse ninho de ratos".

Mais conteúdo sobre:
eleições 2010 Ciro Gomes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.