Prazo para filiação partidária termina 6ª feira

Às vésperas do prazo final de filiação partidária para 2002, que se encerra na sexta-feira, lideranças regionais dos principais partidos preferem fazer mistério para não atrapalhar adesões ainda em fase de negociação. O quadro de filiação só deverá ser fechado amanhã.Mas no Partido dos Trabalhadores (PT) o presidente estadual da legenda, Paulo Frateschi, antecipa que não haverá "muitas mudanças". "O PT é um partido previsível. Todas as novas adesões foram construídas. Houve um processo. Não há jogada", afirma Frateschi. O presidente garante que a principal preocupação do partido neste momento é com a prévia que a agremiação realiza no dia 28 para definir o candidato da legenda ao governo de São Paulo. Dois candidatos estão inscritos: os deputados federal José Genoíno e estadual Renato Simões. O resultado da prévia, segundo ele, será homologado durante o Encontro Estadual do PT, marcado para os dias 10 e 11 de novembro. "Aí, vamos estar em franca campanha."Frateschi afirma ainda que o PT deverá sair com chapa completa na disputa a uma vaga na Assembléia Legislativa, ou seja, serão 141 candidatos a deputado estadual.PPBNo PPB, segundo o presidente estadual do partido, Antonino Jesse Ribeiro, haverá renovação. Ele afirmou que a legenda teve 80 novas adesões. "São nomes novos mas com cacifes eleitorais em suas regiões", afirmou Jesse Ribeiro. Todos os novos pepebistas, segundo ele, "estão capacitados a disputar e concorrer a uma vaga a deputado estadual ou federal".Uma das adesões do PPB é a do vice-presidente da Força Sindical, Antônio Ramalho, segundo Jesse Ribeiro. Ramalho fechou com o partido do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) ontem e vai concorrer a uma vaga na Assembléia Legislativa.PSDBDentro do PSDB o clima é de tranqüilidade, segundo o deputado estadual Edson Aparecido, presidente estadual do partido. Ele afirmou que a legenda conseguiu se fortalecer em regiões onde "haviam lacunas". "Fomos buscar filiações em regiões onde detectamos, após as eleições municipais (ano passado), que precisávamos crescer", disse. Presidente Prudente, São Carlos e Bauru estão entre os municípios onde o PSDB buscou ampliar o quadro partidário. "Só não conseguimos reforçar a filiação em Guarulhos", admitiu Aparecido.PLNo PL, segundo o presidente estadual do partido, o deputado federal Luiz Antônio Medeiros, o principal objetivo é conquistar 5% dos votos nacionais para cumprir a cláusula de barreira e, conseqüentemente, conseguir, a partir de 2002, ter direito a 40 minutos, por semestre, no horário gratuito na TV, além de participação em 99% da verba de fundo partidário e garantia de conquistar vagas na liderança em todas as casas legislativas. "Vamos trabalhar para trazer votos para a legenda", afirmou Medeiros. Ele informou que o ex-deputado federal pelo PDT Liberato Cabloco está entre as novas adesões do PL.PFLDentro do PFL o clima também é de mistério. O partido não divulga novas adesões. Sem revelar nomes, integrantes da legenda confidenciam que alguns nomes que procuraram o PFL foram barrados pela direção da agremiação. O presidente estadual do PFL, Cláudio Lembo, prefere aguardar o encerramento do prazo de filiação para anunciar novas adesões. Apenas garante que o partido "tomou o cuidado de não fazer proselitismo".PSBAs perspectivas de novas adesões também são grandes dentro do PSB, segundo informou o presidente estadual da legenda, Márcio França, também prefeito de São Vicente, no litoral paulista. França afirmou que só na tarde de ontem 20 novas filiações foram feitas em São Paulo. "Até o final da semana haverá mais novidades." França afirmou que a intenção do PSB é eleger em 2002 seis deputados federais e 12 estaduais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.