Pratini de Moraes manda missão para Europa

O ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, determinou ontem (11) a ida de uma missão de técnicos do governo à Rússia, Inglaterra e outros países da União Européia na próxima segunda-feira. A missão tem o objetivo de tentar reverter os prejuízos causados às exportações de carnes brasileiras pelo retorno da febre aftosa no Rio Grande do Sul. Embora tenham sido registrados apenas dois focos da doença, com 30 animais infectados, nos municípios gaúchos de Santana de Livramento e Alegrete, a Rússia já suspendeu todas as importações de carne suína procedentes do Brasil, enquanto a Inglaterra embargou as importações de todos os tipos de carnes, incluindo a bovina maturada que vinha adquirindo regularmente.O diretor da Divisão de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura, Rui Vargas, esclareceu que a Arábia Saudita ainda não formalizou a suspensão das importações de carnes, embora esse procedimento já tenha sido adotado por vários importadores árabes. O Chile e Israel mantém o embargo apenas para as carnes procedentes do Rio Grande do Sul. Rui Vargas não soube precisar as perdas que esses embargos representam ao País, uma vez que muitos contratos têm entrega futura.Ele salientou que os técnicos irão se empenhar para reverter o quadro negativo. "Vamos explicar que os focos de aftosa estão centralizados em dois municípios e que não há risco para as exportações originárias de outros Estados", salientou. Com relação à carne suína, ele disse que a Rússia importou 28 mil toneladas em abril passado e serão dadas todas as garantias de que Santa Catarina não possui a doença e de que seus produtos não representam risco.Esclareceu que após a delimitação das zonas de emergência no Rio Grande do Sul, o Ministério também lutará para que a carne suína gaúcha produzida fora das zonas de risco sanitário também possa continuar sendo exportada. A missão técnica será chefiada pelo secretário de Defesa Agropecuária do Ministério, Luiz Carlos de Oliveira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.