PR reclama de demissões a 'conta-gotas' no Ministério dos Transportes

Para vice-líder do partido na Câmara, todas as saídas deveriam ter acontecido ao mesmo tempo

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br,

20 de julho de 2011 | 17h44

BRASÍLIA - O PR não está satisfeito com a forma como o governo tem conduzido a crise no Ministério dos Transportes. Depois de o líder do partido na Câmara, Lincoln Portela (MG), reclamar de que a “balança” tem de ser a mesma para todos os partidos, o vice-líder do governo Luciano Castro (PR) reclamou do fato de as demissões estarem acontecendo de forma fracionada.

 

“Nós vemos o processo de substituição como normal, é natural que o novo ministro faça substituições, mas o que não parece ser normal é fazer isso a conta-gotas”, reclamou Castro.

 

Na terça-feira, 19, foram demitidos seis funcionários da pasta e outros três tiveram suas demissões publicadas nesta quarta-feira, 20, no diário oficial. Para Castro, todas as saídas deveriam ter acontecido ao mesmo tempo. “Porque não se demitiu os nove de uma vez? Fica um sentimento de que se tenta fazer a cada dia um fato político”.

 

O vice-líder do governo afirmou que a maneira como tem sido feita a chamada “faxina” no ministério está se causando um desconforto no PR. “Nesta forma de fazer se expõe o nosso partido e nos deixa numa situação desconfortável com o governo”. Segundo Castro, na primeira semana de agosto os deputados e senadores do partido deverão se reunir para debater a crise. Ele destaca que o PR não pode ser apontado como único culpado de erros na pasta porque as decisões eram colegiadas e haviam integrantes de outros partidos, como o PT. Castro nega, porém, que haja a possibilidade de o PR deixar de apoiar o governo Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.