PPS racha e grupo de Herrmann troca Serra por Marta

O PPS, um dos aliados do PSDB na capital paulista, rachou no apoio à candidatura de José Serra. Dissidentes liderados pelo deputado federal João Herrmann Neto (PPS) anunciaram hoje o desligamento da campanha tucana para apoiar a prefeita Marta Suplicy (PT). O descontentamento deste grupo não é de agora. Quando o partido anunciou oficialmente a sua aliança com o PSDB, ficou evidente a discordância da ala ligada à administração Marta. Os dois vereadores do PPS, Edivaldo Estima e Myryam Athiê, compõem a base de apoio à petista. Para Herrmann Neto, o apoio do PPS à Marta significa o restabelecimento da linha do partido na capital. ?O PPS em São Paulo sempre apoiou o PT. Nossos vereadores votaram muitas vezes a favor do governo Marta?, afirmou. ?Essa decisão de apoiar o PSDB aconteceu por uma intervenção que representa o interesse do PSDB no PPS.? O apoio dos dissidentes será oficializado no próximo sábado no Hotel Jaraguá, no centro, e terá a presença de Marta e de petistas ilustres, como o presidente da Câmara, João Paulo Cunha. O deputado negou que o apoio ao PT esteja vinculado a promessas de cargo num eventual governo Marta, mas admitiu que pediu à prefeita que ?ao olhar a cidade, veja a contribuição do PPS ao seu governo?. O deputado estadual Arnaldo Jardim (PPS), que comanda a ala favorável à aliança com os tucanos, classificou o episódio como um ato de subordinação ao PT. ?Ele está aflito para servir ao PT. E essa vontade é maior até do que o respeito ao partido?, disse. Para Jardim, que foi escolhido, antes do apoio ao PSDB, o candidato do partido à Prefeitura, derrotando Herrmann Neto, a debandada não vai abalar a aliança com os tucanos. ?Esse movimento teve uma adesão pouco representativa.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.