PPS promete intensificar coleta de assinaturas para CPI de Palocci

Partido divulgou nota em seu site destacando que a 'falta de esclarecimentos' de Palocci e novas denúncias feitas pela revista Veja 'dão novo fôlego à estratégia'

André Magnabosco, O Estado de S. Paulo

05 de junho de 2011 | 15h24

O Partido Popular Socialista (PPS) promete intensificar a busca por assinaturas para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara dos Deputados com o objetivo de investigar a atuação de Antonio Palocci. Dois dias após a entrevista concedida pelo ministro-chefe da Casa Civil ao Jornal Nacional, o partido divulgou hoje uma nota em seu site na qual destacou que a "falta de esclarecimentos" de Palocci e novas denúncias feitas pela revista Veja "dão novo fôlego à estratégia". "Vamos partir para o corpo-a-corpo, inclusive, com integrantes da base que também cobram explicações sobre o caso", destacou o líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno.

 

A pressão da oposição ao atual governo federal cresceu nas últimas semanas conforme surgiam informações a respeito do salto no patrimônio do ministro e de números referentes ao faturamento de sua empresa, a Projeto Consultoria Econômica e Financeira. Ontem, outra denúncia, de que Palocci aluga um apartamento em São Paulo cujos proprietários seriam "laranjas", complicou ainda mais a situação do ministro. "Como Palocci insiste em não fornecer detalhes de seus negócios, a CPI será o caminho para que a sociedade descubra quais são os detalhes destes negócios que envolveram aquele que é o mais importante ministro da presidente Dilma", afirma Bueno em nota publicada nesta tarde.

 

O PPS destaca que a CPI - que necessita da assinatura de 171 deputados para ser criada - poderá abranger outros "casos conexos", e não somente os negócios da consultoria de Palocci. Há 15 dias o partido recolhe assinaturas com esse objetivo, e acredita que pode estar mais próximo de atingir o mínimo exigido de assinaturas "devido à falta de esclarecimentos de Palocci". A proposta tem o apoio de outros partidos da oposição, como o PSDB e o DEM, além do PSOL, e pode resultar na instauração de uma CPI mista.

 

Em nota, o PPS também pressiona o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), que poderia optar por vetar a convocação de Palocci. "A crise se agrava e o Congresso tem o dever de buscar formas de investigar um caso que o Palácio do Planalto parece não muito interessado em solucionar", diz o comunicado. Para o partido, é obrigação de Marco Maia cumprir o Regimento Interno e a Constituição Federal, mantendo assim o "que já foi legitimamente decidido pela Comissão de Agricultura da Casa, ao convocar Palocci para depor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.