PPS, PDT e PTB também se unem no RS

O acordo que o PPS, PDT e PTB devem anunciar nesta quinta-feira, em Brasília, em torno da candidatura à presidência de Ciro Gomes, tende a ser repetido no Rio Grande do Sul, onde as lideranças regionais dos partidos já discutem a aliança para a eleição estadual. Os nomes da chapa majoritária estão colocados - Antônio Britto (PPS), José Fortunati (PDT) e Sérgio Zambiasi (PTB) - e as negociações vão indicar qual o cargo que cada um vai disputar.O maior entrave ao acordo era o veto do PDT à participação de Britto na chapa. Nos últimos dias, o presidente nacional do partido, Leonel Brizola, deixou de falar na objeção ao ex-governador. Na composição, o PDT pode acabar desistindo da exigência de ter Fortunati, único nome já lançado oficialmente, na cabeça de chapa. Essa decisão será facilitada se o atual presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre não decolar nas pesquisas. Na última, em dezembro, Fortunati tinha apenas 3% das intenções de voto.Britto vem repetindo que não vai concorrer de novo ao governo do Estado. Mas seus aliados políticos acreditam que podem convencê-lo a disputar a eleição depois que o PT definir seu candidato, entre Tarso Genro e Olívio Dutra, e oferecendo-lhe uma aliança forte, com bom espaço nos programas da rádio e televisão.Zambiasi, tido há três eleições como potencial candidato ao Piratini, prefere concorrer ao Senado e anuncia que está se preparando para governar o Rio Grande do Sul em 2006. Outros nomes, como José Fogaça, Bernardo de Souza (ambos do PPS) e Vieira da Cunha (PDT) estão nas negociações como candidatos ao Senado ou a vice-governador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.