PPS não punirá quem assinar CPI

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (PE), disse hoje que não haverá punição no caso de algum dos 20 parlamentares do partido assinarem o requerimento para instauração da CPI no caso Waldomiro Diniz. "O PPS não fecha a questão e respeita as decisões individuais dos seus parlamentares", afirmou em entrevista na Assembléia Legislativa de São Paulo.Admitindo ser pessoalmente favorável à CPI - "assinei todas as CPIs até hoje" -, Freire ponderou que, para manter "minimamente" uma fidelidade ao governo, não assinaria um requerimento. "Somos parte de um governo e temos um ministro (Ciro Gomes, Integração Nacional). Como presidente nacional do PPS, não quero ser dissidente", disse. "Subversivo sempre, mas não dissidente."Ele acredita que o governo federal poderá esclarecer o caso, principalmente com as apurações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. "O governo não pode e nem deve tergiversar essa questão", afirmou. Freire disse, porém, que o início das investigações pela Polícia Federal não foram satisfatórias. "A Polícia Federal retardou muito as apreensões na casa do Waldomiro Diniz. Isso provoca uma suspeita sobre o governo", afirmou. As buscas na residência do ex-assessor parlamentar da Casa Civil ocorreram na segunda-feira, três dias após o início das denúncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.