PPS faz novo pedido de investigação contra Palocci no Ministério Público

Para o líder do partido, deputado Rubens Bueno, movimentações financeiras feitas pelo ministro da Casa Civil servem de indícios de irregularidades e justificam abertura de inquérito

Denise Madueño, da Agência Estado

19 de maio de 2011 | 15h04

BRASÍLIAO - PPS protocolou no Ministério Público um novo pedido de investigação para apurar supostas irregularidades cometidas pelo ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, por meio da empresa Projeto, de sua propriedade. O pedido tem por base movimentações financeiras atípicas e operações suspeitas identificadas pelo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), vinculado ao Ministério da Fazenda, conforme foi revelado nesta quinta-feira, 19, pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também:

linkCoaf: negócio de empresa de Palocci é suspeito

especialNão há inquérito contra Palocci, diz ministro da Justiça

O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), considera que o fato demonstra a existência de indícios materiais de irregularidades em poder da Polícia Federal (PF). "O procurador afirmou que a nossa primeira representação não oferecia elementos suficientes para a abertura de inquérito. Mesmo assim, decidiu requisitar informações a Palocci. Com esse novo pedido, esperamos que a investigação possa ser aberta. Até porque a PF já analisa os negócios milionários do ministro", disse Bueno.

Na terça-feira, 17, o líder do PPS pediu formalmente ao Ministério Público investigação para apurar suposta prática de crime por parte de Palocci com base no crescimento de seu patrimônio pessoal. Reportagem publicada nesta quinta pelo Estado revela que relatório do Coaf em poder da Polícia Federal identificou que a empresa do ministro fez operação financeira suspeita na compra de um imóvel de uma empresa que estava sob investigação policial. A manifestação do Coaf ocorreu há cerca de seis meses, depois de o órgão ser informado do episódio pelo banco que intermediou a transação financeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.