PPS expulsa secretário de Requião por "infidelidade"

O secretário de Obras do Paraná, Luiz Caron, foi expulso do PPS, nesta segunda-feira, por decisão dos diretórios estadual e municipal de Curitiba. A acusação foi de infidelidade partidária, em razão de ter sido flagrado fazendo campanha para candidatos adversários em municípios onde o PPS tem pretendentes ao cargo de prefeito.A gota d´água para a decisão do partido foi sua presença ao lado do ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, José Dirceu, sábado, em campanha pelo candidato do PT em Curitiba, Ângelo Vanhoni. O PPS concorre à prefeitura com Rubens Bueno. "Nós desenvolvemos um trabalho sério com propostas e um projeto de governo. É legítimo que todos respeitem isso", afirmou o presidente do partido em Curitiba, deputado estadual Marcos Isfer.Em nota, Caron disse que sua opção política foi "pela coerência, com base em minha consciência e minha história de vida. Tenho a certeza de que, ao apoiar Ângelo Vanhoni, estou optando por alguém que tem efetivamente condições de ser um gerente à altura das expectativas e aspirações da gente da minha cidade", acentuou.Para ele, o PPS "passou a ser um instrumento exclusivo de sustentação de vaidades e da contumaz prática autoritária. Não posso, apenas por uma questão corporativa, dar aval a uma aventura pessoal, personalista e que não é o resultado do entendimento democrático das bases do partido", registrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.