PPS defende reforma do Estado e nova economia

Conferência organizada pelo PPS durante o fim de semana, em Brasília, concluiu que é necessária uma ampla reforma no Estado brasileiro para que este se torne mais ágil e livre de interesses privados restritos e corporativos. Para tanto, concluíram os participantes, será necessário construir uma nova formação política no País, compromissada com os ideais da esquerda democrática e mais próxima das necessidades reais do cidadão.Cerca de 300 pessoas participaram do encontro, entre elas parlamentares da esquerda dita independente, como o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) e a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), e cientistas políticos, como Luiz Werneck Vianna. Ficou definido ainda que a esquerda democrática deverá trabalhar por uma nova cultura econômica, que não se baseie apenas nos interesses do mercado, mas que leve em conta o desenvolvimento com respeito ao meio ambiente e a garantia de formas concretas de redução das desigualdades sociais. Outra tese defendida é a de que é fundamental a introdução de valores e comportamentos, "particularmente de sentido ético, capazes de provocar uma revolução na cultura política do País, na forma de exercer mandatos, de ser governo e deste se relacionar com a sociedade civil, e no trato da coisa pública". Para os participantes, a esquerda democrática deve atuar a partir de doutrinas e ideais democráticos e humanistas, e identificados com as lutas pela eqüidade social e de gênero, pela defesa do meio ambiente, pluralidade étnica e religiosa, diversidade sexual e paz mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.