PPS defende pontos da reforma política no Congresso

A Executiva Nacional do PPS definiu hoje os pontos principais da reforma política que o partido defenderá no Congresso. Entre eles, o fim da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos, o fim das coligações nas eleições proporcionais e a extinção dos "senadores sem votos". Os três pontos foram aprovados pela comissão especial do Senado criada para discutir a reforma.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

22 de março de 2011 | 19h26

O senador Itamar Franco (PPS-MG) foi uma das principais vozes favoráveis ao fim da reeleição para os cargos do Executivo. O posicionamento dos socialistas também coincide com o dos senadores quanto às coligações proporcionais e às mudanças nas regras para suplentes, de modo que os suplentes não sucedam aos titulares - apenas os substituam.

O PPS vai apresentar uma proposta de emenda constitucional (PEC) e um projeto de lei a fim de formalizar suas proposições. Os socialistas também defenderão o voto distrital misto com lista partidária e o financiamento público de campanha. Por fim, a sigla vai sugerir que o prazo mínimo de filiação para candidatura e o domicílio eleitoral sejam questões definidas pelas legendas e não pela lei eleitoral.

Mais conteúdo sobre:
PPSreforma políticaCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.