PPS assina, mas ainda não formaliza apoio à CPI

Já está com o líder do PPS, senador Paulo Hartung (ES), o requerimento com a assinatura dos três senadores do partido em apoio à criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) no Senado para investigar corrupção.No entanto, o grupo só formalizará a entrega das assinaturas depois de resolvida a questão do painel eletrônico do Senado. A preocupação dos senadores do PPS é evitar que o requerimento da CPI seja usado como peça de manobra para dificultar uma decisão sobre o destino dos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) no âmbito do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado."Não vamos misturar as estações e, por isso, só entregaremos as assinaturas no momento certo", afirmou o presidente nacional do PPS, senador Roberto Freire (PE).Na avaliação de Freire, os dois assuntos - CPI e painel eletrônico - devem ser tratados dentro das peculiaridades de cada um e não podem ser confundidos.O líder do Bloco Oposição, senador José Eduardo Dutra (PT-SE), conseguiu a adesão de 22 senadores e, com a decisão da bancada do PPS, o requerimento totalizará 25 assinaturas. Para instalar a CPI, o regimento exige o número mínimo de 27 assinaturas no Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.