Robson Gonçalves/Cidadania
Robson Gonçalves/Cidadania

PPS aprova mudança de nome e vai se chamar Cidadania

Partido Popular Socialista faz mudança na esteira de movimento de siglas que alteraram seus nomes para driblar o desgaste com a crise da representação política no País

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2019 | 14h44

BRASÍLIA - Na esteira de um movimento de siglas que alteraram seus nomes para driblar o desgaste com a crise da representação política no País, integrantes do Partido Popular Socialista (PPS) aprovaram a mudança de nome do partido para Cidadania. A decisão foi tomada durante congresso extraordinário realizado na manhã deste sábado, 23, em um hotel em Brasília.

Ao Broadcast Político/Estadão, o deputado Rubens Bueno (PPS-PR) disse que a decisão de alterar o nome da sigla é uma mudança de rumo. "Hoje os partidos políticos têm um desgaste natural aqui e no mundo. Então é natural que haja uma mudança, até para atender os movimentos que vieram para o partido, como o Renova Brasil, o Agora. É para ajustar a esta nova realidade. E claro que é um novo tempo que começa a partir de agora", afirmou.

Presente no congresso, o deputado federal Arnaldo Jardim (SP) defendeu a escolha do nome Cidadania por acreditar que "coincide com o momento de reflexão" que o País está vivendo. "As políticas públicas têm que estar a serviço da cidadania, com o valor humanista e o ser humano como centro da nossa convicção", disse. Para o deputado Marcelo Calero (RJ), a mudança mostra a capacidade do partido de se reinventar. Ele acredita que o nome escolhido incentiva a participação dos cidadãos na política.

O presidente do partido, Roberto Freire, afirmou que o próximo passo será a escolha da logomarca do Cidadania. "É importante no novo momento que estamos vivendo decidir entre logomarcas. Ouvindo o máximo de especialistas com o mínimo de recursos possível e depois enviar para os diretórios estaduais do Cidadania para que depois a gente saiba qual a posição nacional do partido", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.