PP vai apoiar reformas, mas manterá posição independente

Depois de três horas de reunião, os governistas do PP (ex-PPB) não conseguiram apoio para que o partido entrasse na base aliada do governo. O PP vai manter-se na posição de independente, apesar de a maioria dos deputados apoiar o governo. O presidente do partido, Pedro Correa (PE), disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá contar com o apoio da bancada. "O presidente quer os votos. Serão 34 deputados a favor do governo", disse ele. A bancada tem 46 parlamentares.Correa anunciou, na semana passada, que o partido iria para a base e que faria uma reunião da Executiva, dentro de dez dias, para formalizar a posição. Na reunião de hoje, no entanto, prevaleceu a posição dos deputados que defendem a independência do partido . "Há maioria governista na bancada, mas há consciência de que irmos para a base não ajuda o conjunto do partido", disse o deputado Ricardo Barros (PR), ex-vice-líder do governo Fernando Henrique Cardoso na Câmara que defende a independência. "A decisão foi tomada para preservar a unidade da bancada", disse Barros. Segundo ele, há um grupo que é governo e tem cargos no governo, mas considera conveniente manter a posição de independência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.