Reprodução
Reprodução

Post do Ministério da Justiça diz que jihadistas 'trazem progresso ao Brasil' e 'merecem respeito'

Resposta no Facebook vira motivo de piada e críticas ao governo; pasta afirma ter corrigido 'erro crasso' e lamenta o episódio

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2015 | 09h44

Atualizado às 11h48 com resposta do Ministério da Justiça

GENEBRA – O Ministério da Justiça afirmou em resposta a um usuário do Facebook que jihadistas “merecem respeito”, pois podem trazer “progresso ao Brasil”, como “qualquer outro povo”. Jihad é um termo árabe que originalmente significa “luta” ou “empenho” em disseminar a fé, mas passou a ser usado por radicais islâmicos como convocação para a “guerra santa” – os que atendem a esse chamado e usam da violência são chamados de jihadistas. Ao Estado, a assessoria de imprensa disse que o "Ministério da Justiça lamenta o erro cometido na resposta na qual confunde jihadistas com um povo" e que o "erro crasso foi corrigido".

 

 

Imigrantes de todas as partes do mundo ajudam a construir nosso país. Participe da campanha e faça seu post: www.eutambemsouimigrante.com.br#EuTambémSouImigrante #XenofobiaNãoCombina Posted by Ministério da Justiça on Quarta, 28 de outubro de 2015

 

O Ministério da Justiça lamenta o erro cometido na resposta na qual confunde jihadistas com um povo. O erro crasso foi corrigido.Posted by Ministério da Justiça on Sexta, 6 de novembro de 2015

A resposta do ministério foi publicada em 28 de outubro, dentro dos comentários de um post para divulgar a campanha de combate à xenofobia contra os imigrantes, um assunto que também preocupa a ONU. O lema era “Eu também sou imigrante” e convidava os internautas a fazer parte da iniciativa. “Imigrantes de todas as partes do mundo ajudam a construir nosso país”, diz a campanha.

O internauta Heder Duarte escreveu um comentário no qual dizia que “imigrantes pacíficos são bem-vindos, já os jihadistas deve ser bloqueados de entrar no Brasil”. Em resposta a esse comentário, o Ministério da Justiça afirmou: “Temos de descontruir alguns conceitos, Heder. Os jihadistas, assim como qualquer outro povo de qualquer outra origem, vem ao Brasil para trazer mais progresso ao nosso país e merecem respeito”.

Na madrugada desta sexta-feira, 6, Duarte publicou uma reprodução da tela com o comentário do Ministério da Justiça, que desde a primeira postagem passou a ser alvo de críticas dos internautas. Em seu perfil no Facebook, ele também compartilhou memes e mensagens contrárias ao PT e ao governo Dilma Rousseff, e sua foto de capa traz uma montagem na qual um exército de legionários com bandeiras do Brasil empurram para um penhasco inimigos com estandartes vermelhos e o desenho da foice e do martelo que simbolizam o comunismo.

Em setembro, foi a vez do Ministério do Trabalho cometer uma gafe. A assessoria de imprensa da pasta publicou no perfil do Twitter um post com o desenho de um bicho-preguiça  afirmando que a pasta aderiu ao "deboísmo". Autointitulado uma "filsofia de vida", o movimento, que surgiu no Facebook, divulgava memes pregando a tolerância ("de boas") e tem um bicho-preguiça como símbolo. "Clima chato no trabalho? Muita fofoca e tititi? Colegas querendo aparecer e tentando puxar o seu tapete? Pratique o deboísmo", dizia o texto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.