Posse de suplentes vira caça a novos votos

Quatro candidatos ao posto de Chinaglia disputam apoio de 11 deputados

Eugênia Lopes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 de janeiro de 2009 | 00h00

Nunca uma cerimônia de posse de suplentes de deputado foi tão prestigiada e concorrida na Câmara. De olho no voto dos novatos, os quatro candidatos à sucessão do presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), abandonaram o recesso parlamentar e apareceram ontem na Casa para fazer campanha junto aos 11 deputados que tomaram posse, no final da tarde de ontem, no lugar de parlamentares eleitos prefeitos.Foi um verdadeiro corpo-a-corpo que contou com dois cabos eleitorais de peso: o presidente licenciado do PDT e ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que fez campanha aberta para Michel Temer (PMDB-SP), e o ex-ministro e vice-presidente do PSDB, Roberto Amaral, que cabalou votos para Aldo Rebelo (PC do B-SP)."Vou votar no Aldo", afirmou Glauber Braga (PSB-RJ), momentos após ser empossado no lugar de Jorge Bittar (PT-RJ), nomeado secretário do prefeito carioca Eduardo Paes. "Tem de guerrear", disse Rebelo, que procurou não demonstrar preocupação com o provável apoio do PDT à candidatura do peemedebista Michel Temer. "Como tenho vários votos no PMDB, ele deve ter também gente no PDT. Só ainda não descobri quem vota no Michel no PDT", desdenhou Rebelo.Lupi informou que o partido se reúne no dia 21 para decidir a saída do bloquinho - PDT, PSB e PC do B - e o apoio formal à candidatura Temer. "Vou defender isso. Essa é a minha posição", reforçou Lupi.Sem cabos eleitorais de renome, os deputados Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Ciro Nogueira (PP-PI) se esgueiraram entre os novatos em busca de votos. "Se máquina elegesse alguém, a Hillary Clinton seria a presidente dos Estados Unidos, não o Barack Obama", disse Serraglio, que desde ontem manda cartas para todos os deputados pedindo votos.CERIMÔNIAA cerimônia de posse dos novos deputados foi rápida. No gabinete superlotado de Chinaglia, os novatos se acotovelaram para fazer o juramento. Um dos mais emocionados era Antonio Carlos Chamariz (PTB-AL), ex-menino de rua, que levou a filha Rebeca, de 10 anos, a tiracolo.Empossados ontem à tarde, os 11 deputados começam a desfrutar imediatamente dos benefícios pagos aos parlamentares. Além de receber 15 salários de R$ 16,5 mil, os deputados têm direito a uma verba de gabinete de cerca de R$ 60 mil para contratar funcionários e à verba indenizatória de R$ 15 mil mensais - para gastos com o mandato no Estado de origem, como gasolina e aluguel de escritório, entre outros.Como tomaram posse ontem, o salário dos novos deputados será proporcional aos dias em que estão no cargo. Portanto, o holerite referente a janeiro será de R$ 13,3 mil. FRASESAldo RebeloDeputado (PC do B-SP)"Como tenho votos no PMDB, ele (Temer) deve ter gente no PDT"Osmar SerraglioDeputado (PMDB-PR)"Se máquina elegesse, a Hillary seria presidente dos EUA"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.