Posse de ministros é animada por ´chefe de torcida´

A posse de três ministros nesta sexta-feira, 23, foi regada a um discurso longo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a gritos de um convidado que puxou todas as palmas durante o evento. Pai de santo, o babalorixá Roberval Uzeda ganhou o troféu "chefe de torcida" do dia, e levou as centenas de convidados às gargalhadas toda vez que gritava um efusivo "é isso aí, presidente". Lula mal conseguia terminar uma frase e o líder espiritual já bradava "muito bem". "Quem trouxe esse cara para agitar a massa? Que puxa saco", exclamou um dos convidados. Poucas mulheres desfilaram pelo salão principal do Palácio do Planalto. Formais, não exageraram no figurino. Os engravatados dominaram a festa dos recém-nomeados ministros Reinhold Stephanes (Agricultura), Marta Suplicy (Turismo) e Walfrido dos Mares Guia (Coordenação Política), a maioria funcionários públicos. A bajulação de Uzeda ao presidente era tão flagrante que os ministros Paulo Bernardo (Planejamento), Guido Mantega (Fazenda) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, na tribuna de honra, não conseguiram conter o riso. Até o discreto deputado Antônio Palocci, sentado na terceira fileira, não conseguiu evitar sorrisos de canto de boca. ´Como isso aqui é burocrático´ O cantor Supla, filho famoso da ministra Marta, divertia-se com a quebra da liturgia. Quando tinha chance, dizia: "como isso aqui é burocrático". "Eu vou querer saber o que faz a pessoa no cargo (ministério do Turismo). Eu sei que viaja bastante", disse o músico de rock, trajando um terno preto risca de giz, sapato branco, combinando com uma camisa, gravata e meias listradas nas mesmas cores. A cunhada Maria Paula, apresentadora de TV, aparentava tédio. Deitou por vezes seguidas a cabeça no ombro esquerdo do marido, o cantor João Suplicy. O cantor e vereador de São Paulo, Agnaldo Timóteo (PR), pediu para tirar uma foto com Supla. Não faltaram aplausos aos três ministros. A platéia colocou-se de pé para saudar Marta Suplicy e gostou quando Lula comentou que ela era uma "traidora de classe, pois resolveu fazer uma política para os pobres" durante sua gestão na Prefeitura de São Paulo. "Alguém que foi prefeito de São Paulo pode fazer qualquer coisa no mundo. Só um doido quer governar São Paulo", disse o presidente, sorrindo. As frases bem-humoradas de Lula não pararam por aí. Em tom de galhofa, disse que Mares Guia gosta tanto da rotina parlamentar que, todos os dias, "almoça com deputados, janta com deputados e come a sobremesa com senadores". Na pasta, o ministro cuidará da relação do governo com o Congresso. O mestre de cerimônias anunciava o fim da solenidade quando Roberval Uzeda saiu em disparada para cumprimentar o presidente, mas só encontrou fãs tentando fazer o mesmo. O pai de santo já é figura carimbada em Brasília, e em fevereiro de 2002 conseguiu entrar de penetra em reunião ministerial de balanço de sete anos de mandato de Fernando Henrique Cardoso. Aplaudiu o presidente com o mesmo entusiasmo mostrado nesta sexta-feira por Lula, constrangendo os presentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.