Posse de Mendes marca volta do STF às grandes causas

A partir de amanhã, com a posse, no Supremo Tribunal Federal (STF), do ex-advogado-geral da União Gilmar, Mendes às 16 horas, a Corte deverá retomar julgamentos de relevância nacional, como o aumento da contribuição das empresas que viabilizou o acordo para pagamento da correção do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Desde a aposentadoria do ministro Néri da Silveira, em 24 de abril, o STF vem votando ações de menor impacto, envolvendo principalmente problemas estaduais. Os ministros preferem analisar temas polêmicos quando o quórum do tribunal está completo, ou seja, quando os onze ministros estão presentes.Gilmar Mendes é o terceiro e provavelmente último ministro do STF a ser nomeado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em seus oito anos de governo. Respeitando uma tradição, Fernando Henrique não deverá comparecer à posse, para a qual foram convidadas cerca de 3 mil pessoas e que deverá demorar cerca de 10 minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.