Pedro Venceslau/Estadão
Pedro Venceslau/Estadão

Por que o ministro da Educação está na berlinda?

Ricardo Vélez Rodríguez tem seu trabalho questionado desde o início do mandato; quase 20 pessoas já foram exoneradas da Pasta

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2019 | 11h17

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou no fim de semana que vai decidir nesta segunda-feira, 8, sobre o futuro do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, alvo de críticas dentro e fora do governo e pressões diversas. O ministro enfrenta uma crise que vem desde sua posse, com disputa interna entre grupos adversários, medidas contestadas, recuos e quase 20 exonerações. A Presidência da República informou que Vélez foi ao Palácio do Planalto encontrar o presidente na manhã desta segunda. 

Na sexta-feira, num explícito processo de fritura pública do auxiliar, Bolsonaro afirmou que o ministério "não estava dando certo". “É uma pessoa bacana, honesta, mas está faltando gestão, que é uma coisa importantíssima. Vamos tirar a aliança da mão esquerda e pôr na mão direita ou na gaveta”.

Na ocasião, disse que ele poderia ser aproveitado em outro ministério. “Quem decide sou eu. Segunda é o dia do fico ou não fico. A situação da educação será resolvida”, afirmou. Vélez respondeu, em evento em São José dos Campos, que não iria entregar o cargo.

Neste três meses de governo, Vélez perdeu até o apoio de seu "padrinho", o escritor Olavo de Carvalho, influenciador do bolsonarismo. Olavo afirmou que não iria fazer nada contra Vélez, a quem chamou de "traiçoeiro". "Mas garanto que não vou lamentar se o botarem para fora do ministério".

A crise no MEC afeta, inclusive, programas do ministério. O Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio está paralisado. O cronograma do Sistema nacional de Avaliação Básica (Saeb) e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão comprometidos. 

O ministro também coleciona declarações polêmicas. Logo que assumiu o Ministério da Educação, um edital dos livros didáticos de 2020 dizia que não seriam mais necessárias referências bibliográficas. Também foi retirado o item que impedia publicidade e coibia erros de revisão e impressão. Após questionamentos, o MEC retirou o texto e abriu sindicância, alegando erro da gestão anterior.

Vélez também já disse que haverá mudanças em livros didáticos para revisar a maneira como são retratados nas escolas o golpe de Estado de 1964 que retirou o presidente João Goulart do poder. Ele rejeita a palavra golpe. "Foi uma mudança de tipo institucional", disse ao jornal Valor Econômico

No início de fevereiro, deu uma declaração à revista Veja dizendo que o brasileiro viajando é um “canibal”, pois “rouba coisas dos hotéis” e isso precisa ser revertido na escola. Questionado no Supremo Tribunal Federal (STF), ele informou à ministra Rosa Weber que foi “infeliz” na declaração.

Outra ação questionada foi o envio de uma carta oficial do Ministério da Educação a diretores de escola sugerindo a leitura de um texto com slogan da campanha de Bolsonaro, seguida do Hino Nacional. Os alunos deveriam ser filmados e a gravação, enviada ao MEC. O caso fez com que a Procuradoria-Geral da República abrisse uma investigação para apurar possível improbidade administrativa por parte do ministro.

Quem substitui?

Entre os cotados para o cargo estão o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) e o presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Anderson Ribeiro Correia. Ainda não há convites.  

Izalci Lucas tem recebido apoio da bancada do PSL e também de entidades não governamentais ligadas à educação. Ele foi contador de escolas particulares no Distrito Federal e atuante na Comissão de Educação quando era deputado.

Stavros Xanthopoylos, consultor de educação de Bolsonaro no período da campanha, também voltou a ser aventado como uma possibilidade para substituir Vélez. Outro nome cotado é o ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) Ivan Camargo. 

Para Entender

As polêmicas de Vélez Rodriguez

Propagandas em livros didáticos, exonerações relâmpago e filmagem de alunos; relembre casos da conturbada gestão do ministro da educação de Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.