Por Lupi, PDT libera bancada na votação do mínimo

O secretário-geral e presidente interino do PDT, Manuel Dias, anunciou hoje que o partido vai liberar a bancada na votação do salário mínimo. Dias participa da reunião da bancada que discute o tema. Com a liberação, o partido pretende preservar o presidente licenciado da legenda e ministro do Trabalho, Carlos Lupi, uma vez que aliados ameaçam pedir sua demissão caso o PDT fique contra o governo nesta votação. O início da sessão para a votação do mínimo na Câmara dos Deputados está marcado para as 13h40 de hoje.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

16 de fevereiro de 2011 | 13h33

O PDT foi o primeiro partido a encampar o valor de R$ 560,00, em contraponto ao valor de R$ 545,00 oferecido pelo governo. O ministro do Trabalho, porém, foi enquadrado pelo governo federal e trabalha junto à bancada para conseguir apoio para a proposta de R$ 545,00.

Com isso, a intenção do presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (PDT), de que o partido fechasse questão no valor de R$ 560,00, não se concretizou. Com a liberação, a tendência é que a bancada se divida quase ao meio na votação.

Manuel Dias afirmou que a liberação da bancada não vai ser vista pelo governo como traição porque o partido avisou que não daria apoio automático ao governo. "Quando fomos ao governo Lula nós já dissemos a ele que não votaríamos contra posições ideológicas do partido. Isto vale para esta questão do mínimo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.