Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Por Lula, deputados batem boca na Câmara

Os discursos em defesa do ex-presidente começaram quando Sílvio Costa (PTdoB-PE) criticou matérias publicadas pela imprensa sobre delação de Léo Pinheiro

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2017 | 20h02

BRASÍLIA - Deputados da oposição saíram em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta terça-feira, 25, no plenário da Câmara. As manifestações terminaram em discussão entre parlamentares contra e a favor do petista.

Os discursos pró-Lula tiveram início com o deputado Sílvio Costa (PTdoB-PE), que criticou matérias publicadas pela imprensa em que o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, diz que foi orientado pelo ex-presidente a destruir provas de pagamentos de caixa dois ao PT. Ele também afirmou que o tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, pertencia realmente a Lula.

Costa afirmou que tinha coragem de subir a tribuna para defender o petista porque tinha certeza que ele era inocente. Em uma crítica ao PSDB, ele afirmou que queria ver os tucanos defenderam os integrantes do partido que estão sendo investigados após as delações da Odebrecht, como os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP).

“Vossas Excelências estão caladinhos! Defendam quem quiserem, eu estou aqui defendendo o Lula! Venham e defendam! Sabe por que vocês não vão defender ninguém? Porque lá, sim, todos são culpados”, disse.

Após o discurso, diversos petistas se revezaram na tribuna para defender Lula, entre eles o líder da bancada, Carlos Zarattini (SP), e o deputado Henrique Fontana (RS).

Deputados da base, porém, fizeram críticas ao ex-presidente. O bate-boca mais acalorado foi protagonizado pelos deputado João Rodrigues (PSD-SC) e Jorge Solla (PT-BA). Após o catarinense falar mal do petista, Solla afirmou que não iria dar crédito a um deputado que já foi pego visto vídeos pornô no plenário. “Você não tem ética nem moral para falar mal do presidente Lula”, disse o petista.

Ele também afirmou que os partidos da base tinham “medo” que Lula fosse eleito em 2018. “Vocês vão tomar mais uma surra nas urnas. A população brasileira vai bater com tudo em vocês e eleger o Lula", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.