Por falta de 1 deputado, Câmara adia a votação da CPMF

O governo perdeu mais um dia, na Câmara dos Deputados, no processo de tramitação da proposta de emenda constitucional que prorroga até 2011 a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), a ser votada em segundo turno pelo plenário na próxima semana. Na manhã de hoje, faltou um deputado para que fosse aberta a sessão que serviria para contar prazo e permitir a votação da emenda na próxima terça-feira à tarde. Para que a sessão de hoje fosse realizada, era necessária a presença de, no mínimo, 51 deputados presentes, mas só havia 50 no plenário.Desde a semana passada, o governo não vem conseguindo quórum nas sessões das sextas e segundas-feiras, dias em que os deputados, habitualmente, não ficam em Brasília. Da base aliada, estavam presentes, hoje, apenas dois líderes: o do PR, deputado Luciano Castro (RR), e o do governo, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE). Até agora, só foram cumpridas três sessões, de um mínimo de cinco necessárias entre os dois turnos de votação da proposta de emenda constitucional.O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), convocou para a próxima segunda-feira uma sessão com votação, com o objetivo de facilitar a obtenção de quórum. Normalmente, não há votações às segundas-feiras. Nas sessões com votações, a Câmara desconta dos salários dos deputados faltosos o valor equivalente aos dias de falta.Sem a realização de sessão hoje, os governistas pretendem, agora, começar a votar em segundo turno a emenda da CPMF na noite de terça-feira. Para isso, no entanto, os governistas terão que liberar a pauta do plenário, que está trancada pelo vencimento do prazo constitucional de duas medidas provisórias. A oposição, contrária à prorrogação da CPMF, já anunciou que continuará obstruindo as votações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.