Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Popularidade não implica em posição sobre candidatura, diz Doria

Prefeito de São Paulo foi apontado como o tucano de maior popularidade do País, segundo pesquisa do instituto Ipsos, divulgada hoje pelo 'Estado'

Camila turtelli e Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2017 | 13h53

SÃO PAULO - Apontado como o tucano com mais popularidade no País pela pesquisa Ipsos, divulgada hoje pelo Estado, o prefeito João Doria (PSDB), afirmou há pouco que isso não implica em "nenhum posicionamento de candidatura". "Nos dias de hoje, os que estão na política, geralmente não são bem avaliados. Pessoal tem uma certa distância. Mas isso não implica em nenhum posicionamento de candidatura e nenhum estímulo adicional".

Ele disse que a pesquisa não muda em nada sua postura dentro do partido. "Apenas reforça o sentimento de que temos de estar unidos dentro do partido, nos municípios, Estados e no plano federal também", afirmou. "O PSDB é um partido que sabe extrair dos momentos duros grandes vitórias e grandes conciliações. Conciliar é a palavra mais adequada ao PSDB e ao Brasil nesse momento", disse.

A pesquisa Ipsos sobre a percepção dos brasileiros em relação a 27 figuras públicas mostrou que Aécio Neves (MG), José Serra (SP), Fernando Henrique Cardoso (SP) e Geraldo Alckmin (SP) têm hoje a imagem mais desgastada que a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Doria está em situação mais confortável: é o que aparece mais bem colocado entre os políticos avaliados pela pesquisa. Ainda assim, sua taxa de desaprovação (53%) é bem maior que a de aprovação (19%).

Doria participou nesta manhã do evento SP Animal, no qual assinou o decreto de criação da Coordenadoria de Proteção e Bem-Estar Animais Domésticos e também participou de um passeio coletivo acompanhado de sua cadela Lola, da raça samoieda.

Durante a entrevista, ele disse também que deve viajar nos próximos dias para Campina Grande, na Paraíba, e também para Paris, na França.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.