Popularidade do governo Lula cai de 75% para 70%

Pesquisa do Ibope feita para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada na tarde desta terça-feira, registrou uma queda no nível de aprovação do governo Luiz Inácio Lula da Silva de 75% em março para 70% em junho. A pesquisa mostra também que aumentou o porcentual das pessoas que desaprovam o governo, passando de 13% em março para 18% em junho. A pesquisa CNI/Ibope foi feita no período de 19 a 23 de junho, com 2 mil pessoas com idade acima de 16 anos, em 145 municípios. A pesquisa mostra também que caiu de 51% em março para 43% em junho o porcentual de pessoas que avaliam o atual governo como ótimo ou regular. Permaneceu praticamente estável o porcentual dos que acham que o atual governo está regular - passou de 26% para 38%. Já os que acreditam que o atual governo está ruim ou péssimo aumento de 7% em março para 11% em junho. A pesquisa CNI/Ibope tem uma margem de erro de 2,2 pontos porcentuais.Apesar de identificar uma queda no nível de aprovação do governo Luiz Inácio Lula da Silva, a pesquisa CNI/Ibope mostra que o atual governo ainda recebe a melhor avaliação entre os quatro que o antecederam. Segundo a pesquisa, 43% dos entrevistados avaliam o atual governo como ótimo e bom. O primeiro mandato do governo Fernando Henrique foi avaliado como ótimo e bom por 40% dos entrevistados, avaliação que cai para 16% quando se refere ao segundo mandato. O governo Itamar Franco recebeu a avaliação de ótimo e bom por apenas 21% dos entrevistados. Já os governos do presidente José Sarney e Fernando Collor receberam, respectivamente, a avaliação de ótimo e bom por 36% e 35%.EmpregoA pesquisa CNI/Ibope mostrou que 76% dos entrevistados confiam no presidente, porcentual que em março estava em 80%. A pesquisa mostra também que, na hipótese de uma eleição presidencial com os mesmos candidatos da anterior, 58% dos entrevistados reafirmariam seu voto em Lula (em março eram 64%). Já os entrevistados que votariam no candidato derrotado José Serra (PSDB) aumentaram de 15% em março para 17% em junho. A promoção do crescimento e do emprego continua sendo a principal tarefa do atual governo apontada por 52% dos entrevistados do Ibope. Até março, esta tarefa era escolhida por 43% dos entrevistados. O combate à inflação perdeu o posto de segunda principal tarefa. A pesquisa mostra que caiu de 24% para 16% o porcentual dos que consideram o combate à inflação como principal tarefa do atual governo. Cerca de 21% avaliam que melhorar os salários é a principal tarefa (em março era apontada por 22%) e 8% escolheram a melhoria das condições sociais.Ações do governoEntre ações do governo, o que foi apontado por 12% dos entrevistados como o que apresenta melhores resultados, de acordo com a pesquisa, é o combate à fome e à pobreza. Cerca de 59% dos 2 mil entrevistados consideram o programa Fome Zero ótimo ou bom. O pior desempenho, porém, de acordo com a pesquisa, é o combate ao desemprego, apontado como um dos piores por 30% dos entrevistados, seguido por segurança (29%). Cerca de 46% dos entrevistados considerou o combate ao desemprego como ruim ou péssimo. Cerca de 27% dos entevistados avaliaram também quer as ações na área de sapúde estão ruim ou péssimo. A mesma avaliação foi dada por 21% dos entrevistados à área de segurança. A pesquisa CNI/Ibope avaliou a opinião das pessoas em relação ao restante do mandato e identificou uma queda de 72% em março para 69% do número de pessoas que acham que será ótimo e bom. O porcentual dos que acham que o restante do governo será ruim ou péssimo aumentou de 5% para 7%, e os que acham que será regular passou de 15% para 17%. A avaliação entre o atual governo e o anterior e identificou que 57% dos entrevistados consideram o governo Lula melhor que o de Fernando Henrique Cardoso. Em março esta mesma avaliação estava em 49%. Por sua vez, aumentou de 8% para 10% o porcentual das pessoas que acham que o atual governo está pior e caiu de 35% para 27% o porcentual dos que acham que está igual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.