População é contra punição aos radicais do PT, diz pesquisa

A maioria da população não quer punição para os radicais do PT, diz uma pesquisa nacional da Brasmarket, segundo a qual 64,8% dos entrevistados entendem que o partido não deve punir seus parlamentares que têm se manifestado contra as propostas de reforma da previdência. A pesquisa ouviu 2091 pessoas em 19 capitais de todas as regiões do País, e tem margem de erro de 2,7%.A pesquisa, realizada entre os dias 27 e 30 de maio, diz ainda que 29,8% dos entrevistaram defendem a punição dos radicais e 5,4% não opinaram. Segundo o diretor da Brasmarket, Ronald Kuntz, os eleitores relegam a fidelidade partidária em favor da imagem do parlamentar. Kuntz lembrou que no começo do ano a Brasmarket divulgou uma pesquisa mostrando que o brasileiro não é favorável à fidelidade partidária, preferindo prestigiar os políticos do que os partidos. A última pesquisa mostrou que 31,4% dos homens são favoráveis à punição dos radicais, contra 28,1% das mulheres. Ainda os homens em maioria são favoráveis ao direito de discordar: 65,4%, contra 64,3% das mulheres. A pesquisa da Brasmarket também comprovou que, quanto maior o grau de instrução, maior é a aprovação à discordância dos radicais do PT: entre os analfabetos, 49% são a favor da discordância; entre os que tem 1º grau completo, esse índice sobe para 65,9%, e fica em 64,7% entre os que tem 2º grau completo. No caso dos que têm curso superior, o índice chega a 69,7%.Obviamente o maior apoio aos radicais do PT vem do funcionalismo público, diz a pesquisa: 80,8%. Os aposentados somam 61,3%, donas de casa 64,2% e desempregados, 69,3%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.