População carente terá de pagar para acessar Internet em projeto do Governo

O município Santo Antônio de Leverger (MT) será o primeiroa ser beneficiado pelo programa ComUnidade de inclusão digital. Nesta quarta-feira começa a funcionar no município o telecentro, onde a população terá cursos de "alfabetização digital" e acesso à internet. O programa é uma parceria entre Comunidade Ativa, Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Plano de Integração de Ações Sociais e Prevenção Primária à Violência (Piaps) e governos estaduais.O coordenador-geral do projeto, Adroaldo Quintela Santos, informa que cada telecentro será equipado com dez computadores, todos ligados à Internet. Os alunos, a partir de 10 anos de idade, pagarão R$ 3,00 pela mensalidade de cursos de informática e R$ 0,50 por cada meia hora de acesso à Internet. Pessoas pobres poderão pedir isenção das taxas, mas em troca prestarão serviços à comunidade.Nos telecentros é proibido entrar em sites pornográficos e participar de salas de bate-papo. Mas os alunos poderão criar uma página para o muncípio, com dados sobre o local, opções de turismo e produtos. O programa prevê computadores para municípios com até 50 mil habitantes ou com baixos índices de desenvolvimento humano. Leverger, por exemplo, tem 15 mil habitantes. Até o fim do ano, a previsão é instalar telecentros também nos municípios Chapada dos Guimarães, Jangada, NossaSenhora do Livramento e Cuiabá, em áreas cedidas pelas prefeituras.O coordenador da comissão de transição do governo do Mato Grosso, Clovis Vettorato, antecipou que o governador eleito Blairo Maggy (PPS-MT) apoiará o programa de inclusão digital e o estenderá a vários municípios. ?O jovem precisa aprender, no mínimo, uma língua estrangeira e informática para enfrentar as exigências do mercado?, justificou Vettorato. Ele observou ainda que inúmeros municípios do Estado não têm acesso a internet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.