Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Políticos marcam presença em manifestações pelo Brasil

Jair Bolsonaro participa de protestos contra a presidente Dilma em Brasília, Aécio Neves passou rapidamente por Belo Horizonte e Carlos Sampaio por Campinas

Julia Lindner, Leonardo Augusto, Guilherme Maziero, Diego Emir, especial para, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2016 | 11h43

Políticos da oposição, entre eles deputados federais, estaduais e senadores, estão entre os manifestantes que vão às ruas neste domingo, 13, em protestos contra a presidente Dilma Rousseff. É a primeira vez que partidos políticos de oposição no Congresso Nacional se associam institucionalmente ao evento – e consequentemente ao seu resultado final. 

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) participa das manifestações em Brasília. Ele caminha entre os manifestantes, que estão concentrados na Esplanada dos Ministérios. Entre gritos de "fora PT!", ele afirmou que veio como "cidadão" e disse que o ato demonstra a "insatisfação" do povo com o governo. 

"Essa é uma manifestação popular de que o povo não aguenta mais", comentou Bolsonaro. O deputado disse não acreditar que a presidente irá renunciar, mas defendeu o afastamento de Dilma. "Temos que tirá-la através do processo de impeachment ou do Tribunal Superior Eleitoral (STE). O prazo final para ela sair é 2018, só não sei se o Brasil vai aguentar até lá", completou.

O presidente nacional do PSDB,  senador Aécio Neves (MG), passou rapidamente pela Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde os manifestantes se concentram. O parlamentar cumprimentou correligionários, não discursou e seguiu para São Paulo, onde participa do protesto contra a presidente na Avenida Paulista.

Em entrevista à imprensa na chegada à Praça da Liberdade, o senador afirmou haver três "caminhos para o Brasil: o impeachment da presidente, a cassação da chapa pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou a renúncia. Uma das três saídas possibilitará o Brasil voltar a sonhar com um futuro melhor", disse.

Aécio afirmou que, das três, preferiu, no passado, o caminho via TSE. "Sempre achei que pelo tribunal seria possível um 'stop and go'. Um governo legitimado pelo voto para implantação de reformas estruturantes. Mas hoje, qualquer saída sem a atual presidente da República é melhor do que estendermos esse calvário do povo brasileiro por mais alguns anos.

O vice-presidente nacional do PSDB, Carlos Sampaio, esteve no ato organizado em Campinas e também seguiu para São Paulo. Ao menos cinco vereadores da cidade acompanharam os protestos na cidade.

"Um dos pecados do católico é se calar. E esse (pecado) eu não quero nas minhas costas. Vim como cidadão, para deixar um país melhor para meus netos", afirmou Jorge Scheeider (PTB), que apesar de não declarar a participação como político, usou as redes sociais para convocar a manifestação de hoje. Também passaram pela manifestação os vereadores  André Von Zuben (PPS), Vinicius Gratti (sem partido) e os tucanos Luiz Cirilo e Marcos Bernardelli.

Membros do PSDB também participam do ato em São Luís, no Maranhão, puxando gritos contra o governo petista. O deputado federal João Castelo do PSDB é um dos presentes. O vice-governador tucano Carlos Brandão, no entanto, se mantém alheio a discussão para evitar conflito com o governador Flávio Dino (PC do B), um dos maiores defensores do governo petista. De manhã, cerca de 2500 pessoas participam da manifestação na Avenida Litorânea.

Parlamentares pernambucanos que integram a bancada de oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff, na Câmara Federal, marcaram presença, na manifestação de hoje realizada na praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. O peemedebista Jarbas Vasconcelos, o Democrata Mendonça Filho e Augusto Coutinho (do Solidariedade) foram ao ato na companhia de amigos, familiares e correligionários.

Entre as 15 mil pessoas presentes no ato em Belém, segundo a Polícia Militar, estão o deputado federal Eder Mauro (PSD) e o deputado estadual Neil (PSD). "Precisamos resgatar o país", afirma Mauro.

(COLABORARAM MONICA BERNARDES E VERÍSSIA NUNES)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.