Políticos elogiam atuação de Itamar na vida pública

Colegas lembram do Plano Real e do perfil do ex-presidente no Congresso

estadão.com.br

02 de julho de 2011 | 13h33

Políticos e amigos do ex-presidente e senador Itamar Franco (PSDB-MG), morto na manhã desde sábado, 2, destacaram a atuação política de Itamar. O ex-presidente morreu em decorrência de um acidente vascular cerebral. Ele estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein desde maio para tratar leucemia e apresentou quadro de pneumonia grave.

 

Para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), a volta de Itamar ao Senado, neste ano, simbolizou o reconhecimento de Minas Gerais à sua trajetória política. "Itamar se despede de Minas e do Brasil deixando atrás de si um imenso vácuo de saudade e admiração. Ao levá-lo de volta ao Senado, Minas manifestou a ele todo o seu reconhecimento e respeito. Ele costumava dizer que tinha por mim um afeto paternal. Me despedi de meu pai no final do ano passado. Me despeço de Itamar agora", afirmou.

 

O ex-presidente e também senador Fernando Collor(PTB-AL), a quem Itamar substituiu na presidência em 1992, disse ter pedido um companheiro. "Sinto muitíssimo a perda de um amigo e grande presidente do nosso País. Itamar foi um companheiro inexcedível durante o período em que militamos juntos na política."

 

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse que Itamar foi bom para Minas Gerais e para o Brasil. "Graças a sua luta, a Cemig e Furnas não estão privatizadas. Foi grande na luta contra a ditadura militar. Convivi com ele no Senado Federal, onde tivemos debates duros, porém respeitosos e a favor do que entendíamos ser melhor para o país", disse.

 

O tucano José Serra também destacou a estabilidade econômica como um dos legados da gestão do ex-presidente. "Na presidência da República, Itamar Franco deu uma contribuição fundamental ao nosso País, garantindo a normalidade democrática e abrindo o caminho para o Plano Real, que estabilizou a economia brasileira. Era um homem público transparente, íntegro e combativo. No regresso ao Senado, mostrou a todos a qualidade do seu trabalho como político e parlamentar."

 

Para o governador Geraldo Alckmin (PSDB) a nação perdeu um grande brasileiro. "Ético, honrado e trabalhador, esses são alguns dos muitos adjetivos para definir sua conduta. Sua honestidade, simplicidade e capacidade de agregar pessoas foram preponderantes para unir o Brasil em um momento delicado. Itamar serviu ao povo sem dele tirar qualquer proveito pessoal. Ele também marcou a história do país como o presidente da república que implantou as bases da estabilidade econômica com o Plano Real. Esta perda nos entristece", disse.

 

O prefeito Gilbert Kassab (PSD) afirmou que o senador Itamar Franco foi um homem honrado. "Ele assumiu a Presidência da República num período conturbado da política nacional, mas com sua credibilidade e liderança conquistou estabilidade política e desempenhou papel importante na consolidação da democracia. Itamar foi um grande brasileiro, respeitado por todos,que escreveu seu nome na história do Pais".

 

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), lembrou o perfil polêmico do mineiro e sua habilidade política. "Itamar Franco era um nacionalista nato que sabia ser polêmico, mas, ao mesmo tempo, um construtor de alternativas para enfrentar os principais problemas do país", considerou.

 

O líder do PSDB na Câmara, o deputado Duarte Nogueira, destacou a importância do ex-presidente na história política do País. "Itamar teve um papel fundamental no período pós-impeachment, um dos momentos mais delicados e emblemáticos para a democracia brasileira, e também no processo de construção do Plano Real, que controlou a inflação e estabilizou a economia. Itamar conciliou política, honra e austeridade. Manifesto também minha solidariedade aos familiares e amigos."

 

O líder do DEM na Câmara, ACM Neto, chamou atenção para o papel de Itamar na oposição ao governo Dilma Rousseff. "A oposição e o Brasil perdem sem a presença do presidente Itamar Franco. Era ele um dos principais guias da oposição no Senado. Dia triste."

 

O presidente nacional do DEM, José Agripino, lembrou do Plano Real, uma das principais medidas de Itamar. "A vida pública do Brasil perde uma de suas melhores referências. Probidade e espírito público foram as marcas de Itamar Franco. No governo, determinado, estabeleceu os fundamentos ao Plano Real. Na oposição, vamos sentir falta de sua coragem, dos seus argumentos e de sua presença, que inspirava respeito. O Brasil perde um homem decente."

 

O PPS, partido do qual Itamar era vice-presidente, afirmou ter sido o seu governo o responsável por "livrar" o Brasil da inflação. "Itamar sempre primou pela ética na política e sua história é um exemplo para todos os brasileiros. Com sua firmeza e inteligência, assumiu a Presidência da República num dos momentos mais conturbados pós-ditadura (o impeachment de Fernando Collor) e deu início a uma verdadeira virada nos rumos do País. Foi com Itamar e o Plano Real, lançado em seu governo, que o País se livrou da inflação galopante, começou a se desenvolver e ganhar respeito internacional. O Brasil deve muito a esse grande homem", disse o presidente nacional do partido, deputado federal Roberto Freire (SP).

 

Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seção de São Paulo (OAB-SP), Luiz Flávio Borges D'Urso, Itamar deixou um importante legado para os brasileiros. "Ele assumiu a presidência em um momento difícil para o País, após o primeiro impeachment de um presidente da República e soube construir uma base aliada para consolidar a democracia brasileira e trabalhar para que o País iniciasse um processo de estabilidade da economia e de grande prosperidade, que perdura até hoje".

 

O senador Lindberg Farias (PT-RJ), ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) e um dos líderes do movimento dos caras-pintadas que resultou no impeachment do ex-presidente Fernando Collor, em 1992, destacando o papel que Itamar exerceu sobre os estudantes e sobre toda uma nova geração que entrava para a política naquele momento. "A primeira audiência de Itamar como presidente foi com a UNE. Nós nem precisávamos marcar audiência para ser recebidos no Palácio do Planalto. Ele resolveu o problema das mensalidades escolares, devolveu o terreno da UNE tomado pela ditadura militar".

 

O senador Jorge Vianna (PT-AC) afirmou que, com a morte do ex-presidente da República e senador Itamar Franco (PPS-MG), "o Senado fica menor e a política brasileira perde uma pessoa da maior integridade". Segundo ele, em curto espaço de tempo, Itamar se impôs como um expoente do Parlamento, por sua disciplina, disponibilidade e empenho. Vianna disse que, apesar da firmeza de posições, Itamar era extremamente educado no trato pessoal.

 

O líder do PPS na Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado estadual Alex Manente, resumiu a importância do senador ao caracterizar sua atuação política como "fundamental para a democracia e evolução econômica do Brasil". "Poucos políticos têm uma história como a de Itamar, que ajudou a organizar nosso País e nunca deixou de defender suas propostas e trabalhar pela nossa pátria."

 

Atualizado às 16h10

Tudo o que sabemos sobre:
itamarrepercussão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.