Políticos e internautas usam Twitter para criticar Mercadante

Parlamentar é um dos assuntos mais comentados na internet brasileira nesta sexta-feira

Rodrigo Alvares, estadao.com.br

21 de agosto de 2009 | 13h58

Políticos e internautas utilizam o Twitter desde o fim do discurso do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) na manhã desta sexta-feira, 21, para criticar sua desistência de renunciar à liderança do partido no Senado. O parlamentar é o segundo assunto mais popular no momento no Twitter brasileiro. O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) aproveitou para ironizar a decisão: "Pobre Mercadante: até para sair da liderança tem que pedir autorização ao Lula...".

 

Veja também:

link Lula intervém e Mercadante desiste de deixar liderança do PT

link Em carta,Lula diz que Mercadante é imprescindível à liderança

link João Pedro antecipou que Mercadante ficaria na liderança

link Leia a íntegra do discurso de Aloizio Mercadante

 

Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), "Mercadante continuará o lider no pragmatismo da aliança entre Lula, Renan, Collor e Sarney. O erro do PT foi tratar um grande lider como Lula em um deus, a renúncia do Mercadante mostra este endeusamento".

 

Delcídio Amaral (PT-MS) escreveu no seu perfil: que "ao contrário do que alguns dizem, os últimos acontecimentos mostraram que foi o PT que salvou o PMDB, e não o contrário. E o custo foi bem alto". Cotado para assumir o lugar de Mercadante, o senador João Pedro (PT-AM) publicou: "Parabenizo o senador Mercandante pela decisão de continuar na liderança do PT."

 

O líder do DEM na Casa, José Agripino Maia (RN) postou: "Eu sabia que a pinimba de Lula com o Senado ia dar no que deu: assumiu a liderança do PT já enxotando quem nao quer". Para o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), "o PT está de cócoras".

 

Além de ser o segundo assunto mais popular no momento no Twitter brasileiro, Mercadante é o usuário mais retwittado do momento e o quinto mais respondido na tarde desta sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
MercadanteTwitterPTSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.