Políticos dão máscaras de Dilma em ensaio de carnaval

"Se é antes ou depois da plástica eu não sei", brincou Lindberg sobre a máscara de material emborrachado

Alexandre Rodrigues, da Agência Estado,

15 de fevereiro de 2009 | 18h15

Cabos eleitorais assumidos de Dilma Rousseff para 2010, o prefeito de Nova Iguaçu (PT-RJ), Lindberg Farias, e o deputado federal Carlos Santana (PT-RJ) distribuíram hoje máscaras da ministra-chefe da Casa Civil no ensaio de um bloco carnavalesco da zona oeste do Rio. Decididos a aproveitar a folia para ajudar a popularizar Dilma, os dois dizem ter dividido a conta da encomenda de 2 mil máscaras numa fábrica de São Gonçalo (Grande Rio), ao custo de R$ 2 cada. Hoje, pelo menos 600 delas foram distribuídas no ensaio do bloco "Tamo Junto", em Padre Miguel, patrocinado por Santana e frequentado por petistas."Se é antes ou depois da plástica eu não sei", brincou Lindberg sobre a máscara de material emborrachado que retrata a ministra com maquiagem forte, incluindo batom reforçado. "É depois da plástica porque não tem óculos", definiu Santana. Conscientes de que serão acusados pela oposição de campanha antecipada, eles invocam a tradicional mistura de política com carnaval. "Não é campanha, é algo espontâneo de militante. Eles podem fazer a máscara do (José) Serra também. Não vou entrar nessa discussão", disse Santana."É só uma homenagem à mãe do PAC com a licença poética do carnaval. Não tem lei eleitoral proibindo máscara no bloco", disse Lindberg, reconhecendo seu empenho em promover a ministra desde já. Embora o prefeito tenha interpretado a boa aceitação das máscaras como um termômetro do potencial eleitoral de Dilma, muitos foliões não sabiam de quem elas se tratavam.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilmacabos eleitorais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.