Políticas de inclusão garantiram crescimento, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que as políticas de inclusão de massas garantiram um crescimento sustentável em países em desenvolvimento, mesmo durante crises financeiras. Ao receber o presidente da Zâmbia, Rupiah Banda, em almoço no Palácio do Itamaraty, Lula destacou sua política externa de aproximação com países africanos. "Em meio às turbulências da crise financeira mundial de 2008 comprovamos na prática que políticas publicas de incorporação econômica das massas não só funcionam como constituem a base do crescimento sustentável", afirmou.

LEONÊNCIO NOSSA, Agência Estado

18 de novembro de 2010 | 14h46

Em seu discurso, Lula destacou a abertura da embaixada brasileira em Lusaca, na Zâmbia, e uma embaixada do país africano em Brasília. Segundo ele, a presença diplomática permanente facilita a partilha de experiências e viabiliza projetos conjuntos em benefício da sociedade das duas nações.

Lula destacou ainda o lançamento, no mês passado, pelo governo da Zâmbia, de uma versão do Fome Zero para atender famílias pobres. Ele aproveitou para ressaltar o investimento da Vale no projeto de mineração Konkola Norte, na Zâmbia.

Lula terminou o discurso defendendo mudanças na composição do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). "Acabo de retornar da reunião do G-20 (grupo das 20 maiores economias industriais e emergentes do mundo) em Seul, convicto de que os países em desenvolvimento darão uma contribuição fundamental para a recuperação da economia mundial", afirmou.

O presidente da Zâmbia, por sua vez, parabenizou Lula por ter realizado eleições gerais no País e obtido vitória na sucessão presidencial. "Isso é exemplo da sua liderança e confiança do povo brasileiro no senhor", disse. Segundo Banda, a Zâmbia acompanha a evolução da economia no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.