Políticas de gênero precisam extravasar barreiras, defendem participantes de painel

Evento desta sexta do 'Brazil Forum UK 2020' discutiu mulheres e a pandemia

Fernanda Boldrin, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2020 | 16h46
Atualizado 07 de julho de 2020 | 09h08

No painel sobre mulheres e a pandemia do novo coronavírus, realizado nesta sexta-feira, 3, no Brazil Forum UK, as participantes defenderam políticas públicas específicas para a promoção da igualdade de gênero no Brasil, e ressaltaram que a questão deve ser tratada de maneira transversal - abordando a temática de forma entrelaçada com diversas outras questões.

 

“As pessoas que trabalham com políticas públicas têm enfatizado a necessidade de se desenhar políticas que já pensem em como vão impactar as pessoas de uma maneira heterogênea”, afirmou a cientista política Malu Gatto. Segundo ela, ao não levar a questão de gênero em consideração, qualquer medida pode exercer a manutenção das desigualdades – ou, pior, acentuar as que já existem.

Responsável pela frente de promoção de direitos LGBT do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Marina Reidel foi na mesma linha. “Hoje, temos 27 realidades – 26 Estados e o Distrito Federal, mas nem todos têm alguém que trate dessa política. Como vou provocar a gestão que está lá se não tenho essa interlocução?”, questionou Marina, que integra a pasta chefiada por Damares Alves.

Também participante do painel, a empreendedora Monique Evelle afirmou que a discussão sobre o tema, mesmo feita de modo “transversal”, não pode supor “universalidade”. Ela questionou a noção genérica de “mulher” e disse que outros fatores – como “raça” – devem ser levados em consideração. “Tem uma coisa chamada nome e sobrenome. Parece besteira. Mas, assim como a branquitude, a masculinidade tem nome e sobrenome, enquanto pessoas pretas e mulheres não têm nem nome, imagina sobrenome”, criticou Monique.

A antropóloga Débora Diniz relembrou o caso do menino Miguel, morto ao cair do nono andar de um prédio no Recife, quando ficou aos cuidados da patroa de sua mãe – empregada doméstica, a mãe de Miguel havia saído para passear com o cão da família para a qual trabalhava. Na visão de Débora, este é um exemplo de que existe também uma “hierarquia” entre mulheres. Ela afirmou que qualquer “essencialização” – tratar o grupo de mulheres como um “todo genérico” – traria uma ideia falsa de que existe uma “naturalização” deste grupo, uma dimensão de “normalidade”, o que ela considera um falso pressuposto. “Não queremos um novo normal no campo do gênero, queremos desafiar a própria ideia de normalidade.”

Em sua quinta edição, o Brazil Forum UK é promovido pela comunidade de estudantes brasileiros no Reino Unido, e tem transmissão exclusiva do Estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.