Politicagem envolve invasões em SP, acusa Alckmin

Muitas das invasões de prédios e terrenos públicos ocorridas essa semana em São Paulo são "estranhas" e resultado de "politicagem", na opinião do governador Geraldo Alckmin (PSDB). "Só invadiram terreno do Estado, nenhum da Prefeitura, e isso não é uma coisa espontânea", afirmou, após participar da cerimônia de posse do Conselho Estadual dos Povos Indígenas.Ele negou estar relacionando as invasões ao PT, principal partido de oposição a seu governo, ou à administração municipal de Marta Suplicy (PT), mas reiterou "estranhar" as invasões. "Não vejo relação diretamente com a eleição desse ano, mas que tem uma ?politiquinha? pequena aí, não tenho menor dúvida", comentou.O tucano também qualificou como "preocupante" o movimento vivido no País, não apenas com as recentes invasões urbanas e no campo, com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), mas sobretudo após o assassinato de 29 garimpeiros na reserva indígena Roosevelt, em Rondônia."Não vou dizer que haja uma desordem, mas é preocupante, porque o cumprimento da lei é uma questão essencial na democracia, senão vira barbárie, lei do mais forte. A lei tem de ser respeitada por todos", afirmou.Especificamente sobre o episódio envolvendo índios e garimpeiros em Rondônia, Alckmin opinou ser "intolerável". "O que precisa haver é uma ação anterior, os órgãos de informação deveriam ter as informações necessárias para evitar que isso acontecesse."DemarcaçãoDurante a cerimônia de posse do Conselho Estadual dos Povos Indígenas, lideranças dos índios cobraram do governador a continuidade da demarcação de suas terras em São Paulo. Ao mesmo tempo, pediram pela continuidade de investimentos em saúde, educação e habitação."Fizemos demarcações no Jaraguá (na capital) e temos trabalho no Litoral e no Vale do Ribeira. Com o Conselho, a sociedade e os representantes das aldeias vão discutir as políticas públicas para preservar a cultura indígena", explicou o governador.Para selar a amizade do Estado com as comunidades indígenas, Alckmin recebeu um cocar com penas verdes e amarelas, o qual usou durante boa parte do evento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.