Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

'Política Sub30': Tabata Amaral: 'Aos 26 anos, estou exatamente onde eu deveria estar'

Estreante no Congresso Nacional saiu da periferia de São Paulo, estudou em Harvard e tem na educação sua principal pauta

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2019 | 10h30

Tabata Amaral (PDT-SP) saiu da periferia de São Paulo, estudou ciência política e astrofísica na Universidade de Harvard e chegou ao Congresso Nacional em 2019. Aos 26 anos, não passou batido em seu ano de estreia e tem certeza que não gostaria de estar em outro lugar. 

"Estar, hoje, com 26 anos de idade, entendendo que eu estou exatamente aonde eu deveria estar, sem querer estar em nenhum outro país, nenhuma outra profissão, fazendo outra coisa, é um privilégio, é uma benção tão grande", diz a deputada que se define como progressista, relata ter sido atacada "igualmente" pela esquerda e pela direita e faz da educação sua principal pauta.   

Tabata também entrou em rota de colisão com seu partido, o PDT, e diz que lá não existe mais lugar para ela. Apesar da radicalização do discurso político atual, acredita que o Brasil não é assim. "Na minha visão, de quem cresceu na periferia, de quem conversa com gente comum, gente da ponta, os extremos não são maioria no Brasil. Eles têm um holofote enorme, eles falam muito alto, eles aparecem mais, mas eu custo em acreditar que a maioria da sociedade brasileira seja intolerante, não aceite ideias diferentes".  

A apresentação do programa é dos repórteres de Política Adriana Ferraz e Paulo Beraldo. O roteiro é de Clara Rellstab e a edição, de Clara e de Ana Paula Niederauer. A finalização é de Moacir Biazzy e o coordenador do núcleo de áudio é Emanuel Bonfim. 

Ouça os outros episódios da Política Sub30: 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.