Política externa domina reunião ministerial, diz Amorim

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse hoje que a política externa do governo e as viagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao exterior estão dentro de uma lógica que busca fortalecer interesses econômicos do País e outros interesses, como a paz mundial, a integração da América do Sul e, também, o combate à fome no mundo. O ministro fez um balanço desses temas durante a reunião de Lula com o ministério, na Granja do Torto, e em seguida fez um relato sobre ela em entrevista à imprensa. Ele disse que o objetivo principal da reunião de hoje era falar sobre a política externa brasileira e que, a pedido do presidente, fez uma explanação a respeito aos ministros presentes. Amorim destacou que há uma coerência do que até agora foi feito em relação ao que foi proposto, explicitado no discurso de posse do presidente Lula. "Podem verificar que está sendo executado um roteiro", disse. Segundo o ministro, já há reflexos positivos das viagens que o presidente fez, mas também há consciência de que os principais parceiros comerciais do Brasil são os países desenvolvidos, que representam de 50% a 60% do comércio exterior brasileiro e, segundo o ministro, continuarão a representar ainda por um bom tempo. Amorim ressaltou, ainda, que os resultados positivos dessa política incluem uma melhor posição brasileira para negociar na Organização Mundial do Comércio (OMC) e na Associação de Livre Comércio das Américas (Alca), por exemplo. Ele observou que, numa reunião de altos funcionários recentemente concluída em Genebra, a discussão se deu sobre a base de um documento do G-20, liderado pelo Brasil. "Isso demonstra nossa capacidade de interferir no cenário internacional", avaliou o ministro. O ministro das Relações Exteriores relatou que, na reunião do Torto, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, fez uma intervenção, afirmando que os resultados das exportações não se devem apenas ao câmbio, mas também a uma ação conjugada na área externa brasileira, confirmando a exposição que Amorim estava fazendo na reunião. "Esses foram os pontos mais salientes da minha exposição, enfocando a área econômica, mas sem esquecer que a política externa do País tem uma visão humanista, é pena paz mundial, mas também uma campanha contra a fome no mundo inteiro", afirmou. Segundo Amorim, a reunião já está na sua parte final, na qual os ministros Palocci e Guido Mantega (Planejamento) estão falando sobre execução orçamentária e cada ministro, tratando de seus pontos específicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.