Alexandre Manfrim / Ministério da Defesa
Alexandre Manfrim / Ministério da Defesa

'Policial não pode ser tratado como criminoso, mas paralisação é ilegal', diz Moro

Em encontro com governadores do Sul e do Sudeste, ministro da Justiça e Segurança Pública falou sobre o motim dos PMs no Ceará

Renato Vasconcelos e Lôrrane Mendonça, especial para o Estado

29 de fevereiro de 2020 | 15h52

SÃO PAULO E FORTALEZA - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou que a paralisação dos policiais no Ceará é ilegal. A declaração foi feita neste sábado, 29, na presença de governadores durante o 6º Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), que foi realizado em Foz do Iguaçu, no Paraná.

"O governo federal vê com preocupação a paralisação que é ilegal da Polícia Militar do Estado. Claro que o policial tem que ser valorizado, claro que o policial não pode ser tratado de maneira nenhuma como um criminoso. O que ele quer é cumprir a lei e não violar a lei, mas de fato essa paralisação é ilegal, é proibida pela Constituição. O STF (Supremo Tribunal Federal) já decidiu isso", disse o ministro.

Na sexta-feira, 28, governo federal renovou o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Ceará por mais uma semana, até o dia 6 de março. Antes da prorrogação, governadores de ao menos seis Estados se mobilizavam para enviar policiais militares de suas tropas para reforçar a segurança no Estado nordestino.

Na última segunda-feira, 24, Moro viajou até Fortaleza para acompanhar a operação. Na ocasião, o ministro afirmou que a situação estava sob controle. Desde que os motins se iniciaram, no entanto, houve um aumento no número de crimes violentos em todo o Estado. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Ceará, foram registradas 219 mortes, entre a quarta-feira, 19, até 26 de fevereiro.

Os motins dos PMs começaram no último dia 18 de fevereiro. Pelo menos 230 policiais foram afastados e não receberão o salário por 120 dias. Além disso, os agentes podem ser expulsos da corporação. Para garantir a segurança, 2,5 mil homens do Exército e 300 agentes da Força Nacional circulam nas ruas da capital, Fortaleza, e interior. 

Assembleia do Ceará vota PEC para proibir anistia

Em sessão extraordinária neste sábado, 29, a Assembleia Legislativa do Ceará iniciou a discussão da Proposta de Emenda Constitucional de autoria do governador do Ceará, Camilo Santana (PT), que proíbe a anistia aos policiais militares que deram início ao movimento de paralisação.

O regime de urgência de tramitação da matéria foi votado durante a sessão e aprovado por 31 votos. Os deputados André Fernandes (PSL), Vitor Valim (PROS) e Soldado Noélio (PROS) votaram contra. Após a votação, a PEC foi discutida na Comissão de Constituição e Justiça e o deputado André Fernandes pediu vistas. Em razão disso, a matéria deve ser discutida novamente apenas na segunda-feira, 2.

O deputado Soldado Noélio reforça o pedido de um diálogo mais amplo entre o governo e as categorias para que, de fato, haja uma negociação. “O que a gente tem percebido é que a vontade de punir é maior do que a vontade de resolver o problema. Enquanto houver essa queda de braço, a população vai continuar sofrendo. A gente precisa que essa mesma pressa que o governo tem para punir os agentes exista também para que, de fato, exista uma negociação e que essa negociação avance”, afirma Noélio.

Uma das reivindicações dos policiais e bombeiros militares que aderiram aos motins é o perdão total dos agentes, que não haja abertura de procedimentos administrativos. O governador, por sua vez, demonstra-se contra esse perdão. “Reafirmo que sempre estaremos dispostos a ouvir e dialogar, mas não aceito anistia para quem pratica atos criminosos”, disse.

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Julio César Filho (Cidadania), relator da PEC, reforça o discurso e garante que a anistia é inegociável. “Aqueles que cometeram crime, que colocaram a população de refém precisam arcar com as consequências, porque todos aqueles que entraram nas forças de segurança militar sabiam que não poderiam fazer greve ou se amotinar. Então, é por isso que apresentamos a tramitação em regime de urgência, não pulando nenhuma etapa, apenas acelerando pela situação de emergência que estamos vivenciando aqui no Estado do Ceará”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.