Policiais federais suspendem greve em Alagoas

Em assembléia geral realizada nesta segunda-feira, os policiais federais de Alagoas decidiram suspender a greve de advertência marcada para amanhã, no Estado. Os policiais federais reivindicam um reajuste salarial em torno de 56% e acusam o governo federal de "empurrar com a barriga" uma negociação salarial com a categoria iniciada no começo de 2005. "A categoria suspendeu a paralisação em virtude de um ofício que o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, encaminhou ao Gerc (Grupo das Entidades Representativas de Classe da Polícia Federal), dizendo que havia um compromisso formal do governo para atender a recomposição salarial dos servidores da PF", justificou Jorge Venerando, presidente do Sindicato dos Policiais Federais de Alagoas (Sinpofal). Segundo o presidente do sindicato, a categoria decidiu dar um prazo ao Gerc até o dia 17 de fevereiro, para que os integrantes do grupo informem detalhadamente todo o processo de negociação salarial com o governo federal. "Além disso, nós demos um prazo até o dia 28 de fevereiro para o governo concretizar o nosso reajuste salarial".Venerando acrescentou que se o governo não conceder o reajuste salarial até o final deste prazo, no início de março, os policiais federais vão paralisar suas atividades em todo o País. Nos primeiros dias de março, serão realizadas assembléias gerais nos Estados, para marcar a data do início da greve, que pode ser de advertência ou por tempo indeterminado. Segundo o sindicalista, as assembléias gerais pelo país serão conjuntas: delegados, peritos, escrivães, papiloscopistas, agentes federais e servidores administrativos da PF.Para Jorge Venerando, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), que é presidida por Francisco Carlos Garisto, "capitulou", ao defender a suspensão da greve. "Esse alerta que a Federação deu, de que se nós fizéssemos greve o governo federal suspenderia todas as negociações foi, na verdade, uma capitulação", observou o presidente do Sinpofal, que já presidiu a Fenapef.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.