Policiais federais fazem greve de advertência em Alagoas

Os policiais federais de Alagoas realizaram nesta quarta-feira uma greve de advertência em protesto contra mudanças na estrutura da Polícia Federal. A paralisação não prejudicou totalmente o atendimento público, como a emissão de passaporte e a renovação de visto de permanência para estrangeiros de passagem por Alagoas, mas serviu para marcar a posição dos policiais federais alagoanos contra o anteprojeto de Lei Orgânica elaborado pelo Ministério da Justiça.O presidente do Sindicato dos Policiais Federais de Alagoas (Sinpofal), Jorge Venerando, disse que o anteprojeto de Lei Orgânica - que tem 103 artigos - deve ser repudiado por toda a categoria, "por seu caráter autoritário, militarista e excludente". Segundo o sindicalista, esse anteprojeto é muito diferente da proposta de Lei Orgânica apresentada pelas entidades de classe da Polícia Federal ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, em 2003. "Até hoje, o ministro não encaminhou o nosso projeto ao Congresso, porque foi pressionado pelos delegados, que não querem a democratização da PF", afirmou Venerando. Segundo ele, a categoria defende o cargo único de policial federal, composição democrática do Conselho Superior de Polícia, participação na escolha da cúpula da PF e compartilhar as funções de comando da instituição. Venerando reconhece que o projeto do ministro concede 30% de reajuste salarial para todas as categorias, mas diz que os policiais federais não aceitam aumento em troca de sua autonomia e de seus ideais. "Não aceitamos cala-boca e nenhum tipo de tutela. Muito pelo contrário, queremos uma Lei Orgânica que contemple a nossa luta pela democratização da Polícia Federal". O sindicalista disse ainda que o anteprojeto do Ministério da Justiça acaba com os cargos de papiloscopista e escrivão, além de conceder poderes exorbitantes aos delegados. "Nós propomos o cargo único que possibilita o policial federal fazer carreira dentro da instituição, começando pela base até chegar ao topo, por capacidade e experiência", finaliza o sindicalista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.