Policiais federais do Rio aderem à greve nacional

Os servidores da Polícia Federal no Rio de Janeiro decidiram, em assembleia realizada na tarde desta terça, aderir à paralisação nacional de três dias da categoria, iniciada à meia-noite. Cerca de 200 servidores participaram da assembleia, ocorrida na sede do sindicato. Até a próxima quinta, os serviços de emissão de passaportes estarão suspensos. Serão mantidos apenas os serviços essenciais (30% do efetivo), como condução de presos de alta periculosidade e emissão de passaportes emergenciais (em casos de doença, por exemplo).

MARCELO GOMES, Agência Estado

07 de agosto de 2012 | 18h46

Os servidores também prometem realizar, a partir das 15h desta quarta-feira, uma operação-padrão no terminal 1 do Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, zona norte do Rio. Serão feitos exames minuciosos dos documentos e inspeção pessoal dos passageiros no setor de raio-X do embarque internacional.

"Na semana que vem, após a reunião da categoria com o Ministério da Justiça, vamos realizar nova assembleia", explicou o presidente do Sindicato dos Servidores da PF no Rio, Telmo Correia dos Reis, não descartando a possibilidade de os servidores entrarem em greve por tempo indeterminado caso suas reivindicações não sejam atendidas.

O sindicato espera que cerca de mil policiais federais participem da paralisação no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
greveservidoresPFRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.