Policiais fecham Instituto de Identificação em AL

Os policiais civis de Alagoas, em greve há duas semanas, decidiram radicalizar, diante da falta de uma contraproposta do governo do Estado para o reajuste de 38% que a categoria reivindica. O comando de greve decidiu fechar o Instituto de Identificação que a partir de hoje ficará sem expedir carteiras de identidade para a população alagoana por tempo indeterminado. Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), Carlos Jorge da Rocha, a greve já atinge todas as delegacias da capital e do interior do Estado. Apenas as prisões em flagrante estão sendo realizadas, mesmo assim com muita deficiência, por falta de viaturas, já que a bomba de combustível que abastece a frota da Secretaria de Defesa Social foi interditada ontem pelo comando de greve. "Decidimos interditar a bomba de combustível e fechar o Instituto de Identificação, para pressionar o governo a apresentar uma contraproposta às nossas reivindicações", afirma Carlos Jorge, acrescentando que até agora o governo não deu resposta à pauta de reivindicações da categoria. Eles querem as correções de falhas das Leis Estaduais de Subsídios e de Reestruturação dos Cargos da Polícia Civil. O Sindipol solicita ainda o aumento de número de horas do adicional noturno e a apresentação do anteprojeto de lei com o reajuste salarial de 38% - mesmo percentual concedido aos delegados e procuradores do Estado. O secretário adjunto de Administração, Marcelo Santana, disse que por força do período eleitoral o governo está proibido de conceder reajuste salarial, por isso não pode atender às reivindicações dos policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.