Policiais civis gravaram encontro de Waldomiro com Cachoeira

A Polícia Federal confirmou que as gravações de um encontro do ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz e o bicheiro Carlos Ramos, o Carlinhos Cachoeira, ocorrido no Aeroporto de Brasília, foram feitas por três policiais civis do Distrito Federal. A PF recebeu um relatório parcial feito pela Infraero ? a empresa que administra os aeroportos brasileiros ? onde funcionários confirmam a informação. Amanhã, a corregedoria da Secretaria de Segurança Pública se reunirá com o delegado Antônio César Nunes, que preside o inquérito sobre o envolvimento de Diniz e Cachoeira, para tratar do assunto. A PF deverá convocar o ex-assessor palaciano para novo depoimento. As gravações foram feitas no dia 25 de maio de 2002, entre às 10 e 12 horas, justamente o horário em que Diniz e Cachoeira estariam passando pelas dependências do aeroporto. As fitas com o encontro foram retiradas da sala de monitoramento da Infraero no dia 25 de maio do mesmo ano, pelo agente da Polícia Civil Gilson Simões Ramos Filho, que será ouvido amanhã pela PF. Hoje, o delegado César Nunes vai tomar o depoimento de Leopoldo Eduardo campos e Carlos Braga, funcionários da Infraero que estavam no momento das gravações. ?Sabemos que foram policiais civis que pediram a gravação. O que precisamos saber é qual foi o motivo. O pedido não foi normal?, confirmou um investigador que atua no caso.Com o esclarecimento das gravações, a PF quer saber, a partir de agora, como as fitas foram parar nas mãos de Cachoeira, já que ele apenas fez uma outra gravação anterior em seu escritório, no Rio de Janeiro. ?No aeroporto de Brasília não foi necessário ordem judicial. Simplesmente os agentes chegaram e falaram que precisavam gravar as duas pessoas (Diniz e o bicheiro)?, explicou o investigador, informando ainda, que Gilson Simões era conhecido no local, já que trabalhou anteriormente no aeroporto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.