Policiais civis fazem greve de 48h em Natal

O Sindicato dos Policiais Civis do Rio Grande do Norte (Sindpol) deu início hoje a uma paralisação de 48 horas. Cerca de 400 policiais civis cruzaram os braços em Natal, fazendo apenas o trabalho de autuação em flagrante. Eles reivindicam gratificação de interiorização, transferências de presos das delegacias para presídios provisórios, vale-refeição e restituição da gratificação de representação da Polícia Judiciária. O salário inicial de um agente ou escrivão é de R$ 675,00. "Queremos pelo menos 70% da gratificação de interiorização dada aos delegados", reclama Vilma Marinho, presidente do Sindpol. A sindicalista diz que esta gratificação significa um acréscimo de R$ 400,00 nos vencimentos dos delegados. Ela disse ainda que se o governo não der resposta às reivindicações da categoria, os policiais podem decretar greve por tempo indeterminado. "Quando puder, o que foi feito com os delegados também será feito com agentes e escrivães, e também será estendido para a Polícia Militar", disse o governador Fernando Freire. Os grevistas alegam que a restituição da gratificação de Representação da Polícia Judiciária, que correspondia a 120% do salário base do policial, vinha sendo paga desde 1995. "Os delegados continuam a receber", declarou Vilma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.