Polícia vai cumprir mandado de reintegração da Câmara do DF

Decisão dos manifestantes é de manter a ocupação da Casa até que o José Arruda e Paulo Octavio renunciem

estadao.com.br,

05 de dezembro de 2009 | 17h53

O presidente interino da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado Cabo Patrício (PT), poderá mandar a qualquer momento a polícia cumprir o mandado de reintegração de posse, concedido na última sexta-feira, 4, pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A decisão dos manifestantes é de manter a ocupação da Casa, que teve início na última quarta-feira, 2, até que o governador José Roberto Arruda (DEM) e o vice Paulo Octavio (DEM) renunciem ou sejam afastados pelos deputados distritais.

 

Veja também:

linkPlanilha cita 41 empresas e caixa 2 de R$ 11 mi na campanha de Arruda

linkCâmara do DF acata dois pedidos de impeachment de Arruda

blog  JOÃO BOSCO: OAB considera Arruda e Paulo Octávio cúmplices

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Inquérito da Operação Caixa de Pandora

 

O impasse aconteceu durante a reunião com uma comissão de estudantes, realizada no início da tarde deste sábado, 5, pelo Cabo Patricio, com a participação da deputada Erika Kokai (PT), no gabinete da presidência. Após a reunião, Cabo Patricio saiu sem falar com a imprensa, mas os estudantes divulgaram uma nota comunicando sua posição. O presidente interino da Câmara já consultou os demais membros da Mesa Diretora e aguarda apenas o melhor momento para mandar a polícia retirar os manifestantes do plenário, de acordo com informação que circula na Casa.

 

Segundo a nota, durante a reunião o presidente interino da Câmara teria comunicado a decisão de cumprir o mandado de reintegração de posse do plenário se os manifestantes não desocupassem o local pacificamente. Eles repudiaram essa decisão, afirmando que ela serve aos interesses do governador Arruda e do vice Paulo Octavio de permanecerem nos cargos, apesar das denúncias de envolvimento no escândalo do pagamento de propinas a membros do Executivo local, deputados distritais, funcionários do Governo do Distrito Federal (GDF) e empresários.

 

Os estudantes defenderam a legitimidade do movimento e anunciaram a decisão de resistir à desocupação até que os envolvidos sejam punidos. O lema do movimento é Ocupa e Resiste. Ao todo, cerca de 30 estudantes estão ocupando o plenário da Câmara Legislativa do DF desde quarta-feira, 2, quando um grupo maior enfrentou os seguranças e invadiu o local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.