Polícia vai à Justiça contra o governo de PE

Os policiais civis de Pernambuco, há 10 dias em greve, vão entrar na Justiça contra o governo do Estado. Na sexta-feira, o sindicato da categoria deverá impetrar duas ações, uma exigindo o cumprimento da Constituição, com o pagamento do salário mínimo como salário-base. A outra exige o cumprimento do princípio da isonomia salarial, com o repasse para a categoria dos 28% de reajuste concedidos neste ano aos bombeiros e policiais militares."O governo tem obrigação de conceder o que reivindicamos", afirmou o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Henrique Leite, garantindo que a categoria não vai voltar ao trabalho como determinou a Justiça, que considerou o movimento ilegal.O governo estadual promete não endurecer com os grevistas e aguarda que eles atendam à decisão judicial. De acordo com a assessoria de imprensa da secretaria estadual de Administração, somente depois da volta ao trabalho é que o governo pretende adotar medidas punitivas, que poderão vir a ser negociadas com os policiais."A manutenção do impasse é pior para o governo, que tem a responsabilidade pela segurança da população", disse Leite. "Nós somos meros agentes e não estamos tendo condições de trabalho nem de salário". Para ele, os grevistas "nada têm a perder".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.