Polícia prende manifestantes em sessão da Câmara em homenagem à Globo

Membros da Frente Nacional de Democratização da Mídia abriram uma faixa criticando a emissora durante sessão solene na Casa

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

14 Abril 2015 | 15h36

Brasília - A Polícia Legislativa da Câmara prendeu, nesta terça-feira, 14, três integrantes da Frente Nacional de Democratização da Mídia por protesto feito no plenário da Casa durante sessão solene em homenagem aos 50 anos da TV Globo. Os manifestantes pediram para subir à tribuna para discursar contra a emissora, mas alegam que o pedido foi negado pela secretaria da Mesa.

O grupo decidiu então abrir uma faixa pedindo a democratização da mídia e o integrante da Frente Lucas Rezende deu um grito de ordem: "A verdade é dura: a Rede Globo apoiou a Ditadura". O protesto levou a Polícia a prendê-lo sob a acusação de quebra de regimento. Também foram detidas duas mulheres.

Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, o grupo foi retirado por "comportamento inconveniente" e convidado a deixar as dependências Câmara dos Deputados.

Após o incidente, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu a liberdade de expressão "dentro da ordem" e reforçou o discurso de que não pautará projetos que tenham como objetivo o controle da mídia. "Vivemos numa democracia. É claro que as manifestações têm de ser feitas, mas dentro da ordem que a gente prega", disse.

Deputados de diversos partidos se revezaram na tribuna em discursos de homenagem à Globo, apontada depois por Cunha como "instrumento de manutenção da democracia" no Brasil. "A contribuição da Rede Globo de televisão para a democracia no nosso país é fundamental no momento atual", afirmou.

O vice-presidente Institucional da emissora, João Roberto Marinho, agradeceu a homenagem. "O que a Globo defende e sempre defenderá é a democracia, a República e o império do voto", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.