Polícia prende cinco em Jandira por morte de PM

Jairo Lemes de Aquino era irmão do ex-secretário municipal Wanderlei de Aquino, apontado como mandante da morte do prefeito da cidade, Braz Paschoalin

Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2011 | 23h00

A Polícia Civil em Jandira, na Grande São Paulo, prendeu cinco suspeitos do assassinato do policial militar Jairo Lemes de Aquino, irmão do ex-secretário municipal de Habitação, Wanderlei de Aquino, apontado como mandante da morte do prefeito da cidade, Braz Paschoalin (PSDB).

 

A prisão dos supostos matadores do policial ocorreu na noite de terça-feira. Entre eles há um menor de idade. No cerco ao grupo, houve troca de tiros - Weverton Calvalcante de Brito, de 34 anos, que estava no banco do passageiro de uma picape bege, atirou contra os policiais e foi baleado. Ele passou por cirurgia e já recebeu alta.

 

‘Tudo facção’. Zacarias Katzer Tadros, delegado que comanda a investigação, disse que "está próximo" de esclarecer a morte do PM, executado na noite de domingo, na porta da casa da amante. O delegado acredita que houve "um desacerto, uma desavença" entre o irmão de Aquino e os pistoleiros - com eles havia pedras de crack, cocaína e maconha. "É tudo facção criminosa", observou o delegado.

 

Outro suspeito está sendo procurado. Ele teria ligações com o ex-secretário de Habitação. O delegado Zacarias Tadros ainda não descarta outras duas hipóteses: a de que Jairo teria envolvimento na morte do prefeito ou crime passional. "O que parece mais provável, até aqui, é mesmo uma briga de facções."

 

Jairo estava em licença médica na PM havia seis meses. Seu irmão, Wanderlei Aquino, está preso desde dezembro. A polícia está convencida de que ele e o ex-secretário de Governo de Jandira, Sérgio Paraizo, mandaram eliminar Paschoalin. "Foi uma briga pelo poder", afirma o delegado Tadros.

Tudo o que sabemos sobre:
JandiraBraz Paschoalin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.