Polícia prende acusados de matar velejador

Foram presos em Macapá durante esta madrugada sete suspeitos do assassinato do velejador neozelandês Peter Blake. Eles seriam de um grupo conhecido na Amazônia como ratos d´água, assaltantes que invadem e saqueiam embarcações. O corpo de Blake está na polícia técnica do Amapá e só poderá ser liberado pela família do velejador. Blake foi assassinado na noite de terça-feira dentro do barco Seamaster. O veleiro foi invadido por três assaltantes. Blake reagiu e levou um tiro no peito. O acesso à embarcação continua interditado pela Polícia Federal e o único tripulante brasileiro a bordo, Paulo Rocha, não fala a pedido dos companheiros. A embaixadora da Nova Zelândia no Brasil está em Macapá para acompanhar as investigações do caso.Era 1h desta madrugada quando a Polícia Civil do Amapá prendeu o último dos sete suspeitos de terem assaltado o Seamaster e assassinado o velejador. Junto com eles, a polícia apreendeu relógios, CDs, armas e R$ 1.500,00 tomados da tripulação da embarcação. A polícia ainda procura o oitavo participante, que seria o piloto do barco que levou os assaltantes.Entre os presos estão Jânio dos Santos Gomes, líder do grupo e organizador do assalto, e Ricardo Colares Tavares, que disse ter disparado dois tiros contra a tripulação do veleiro. Segundo os companheiros dele, um destes tiros foi o que atingiu e matou Peter Blake. Eles disseram que não sabiam quem estava no veleiro. Pensavam que fossem simples turistas. Todos confessaram a participação no assalto e foram levados para a Polícia Federal do Amapá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.