Polícia paulista já prendeu 368 seqüestradores

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou hoje que há 368 seqüestradores presos no Estado, atualmente. Segundo ele, o número comprova que a polícia está empenhada em combater esse tipo de crime. "Os seqüestradores devem entender que seu crime é hediondo e que as penas não são leves", afirmou. Para o secretário da Segurança Pública do Estado, Saulo de Castro Abreu Filho, o resultado das prisões é a redução da quantidade de casos. O secretário citou, como exemplo, a região de Campinas. Antes da prisão de Andinho, que comandava uma quadrilha de seqüestradores na região, havia "dois ou três ocorrências por dia. Prendemos o Andinho e o número zerou", disse Abreu Filho.Ele também destacou a mudança de perfil dos bandidos. Conforme o secretário, a sensação de impunidade atraiu muitas pessoas para esse tipo de crime e, a maior prova disso, é que aumentou o número de réus primários nos processos por seqüestro. Para desestimular novos casos, o secretário insistiu na necessidade de se apurar e punir rapidamente os envolvidos.PresídioOutra providência do governo estadual no combate aos seqüestradores é a construção de um presídio de segurança máxima. Alckmin explicou que, quando assumiu, o Estado só contava com o presídio de Taubaté para criminosos de alta periculosidade, com capacidade para 160 detentos. "Iniciamos a construção do presídio de Presidente Bernardes e vamos fazer mais um", disse. O local onde o novo projeto será implantado, bem como sua capacidade e prazo para entrega, ainda estão em estudo, conforme o governador.HomenagemAlckmin e Abreu Filho participaram, junto com oficiais das Polícias Militar e Civil, das solenidades do Dia Nacional das Polícias. A data é comemorada em 21 de abril, dia de Tiradentes, o patrono dos policiais. Nesta manhã, o governador e o secretário estiveram no Vale do Anhangabaú, na capital paulista, onde entregaram a Medalha Cruz de Sangue a parentes de policiais mortos em ação (medalha de ouro). Também foram condecorados policiais cujo ferimento em serviço os deixou definitivamente incapacitados (medalha de prata) e aqueles que se feriram, mas retornaram ao trabalho (medalha de bronze).No momento das homenagens, havia cerca de 5 mil pessoas no Vale, segundo a Polícia Militar, a maioria, parentes de policiais. À tarde, a festa prossegue, com apresentação de diversos artistas, como os cantores Daniel, Robinson e o grupo Karametade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.