Polícia não encontrou 'nada grave', diz Garibaldi sobre grampos

Presidente do Senado diz que não tem detalhes técnicos; relatório será entregue a ele ainda nesta segunda

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2008 | 15h35

O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN) disse que a Polícia do Senado deve lhe entregar nesta segunda-feira, 8,  um relatório sobre a varredura nos gabinetes para investigar a existência ou não de grampo telefônico na Casa. Garibaldi disse que não tem detalhes técnicos, mas assegurou que não foi encontrado "nada grave, que possa preocupar".  Veja Também:ESPECIAL:entenda o escândalo dos gramposEspecial explica a Operação Satiagraha Multimídia: As prisões de Daniel Dantas Lula manda investigar compra de 'maleta de grampo' na Abin Garibaldi, que participou do almoço com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, no Palácio do Itamaraty, admitiu que se ficar comprovada a participação de agentes da Polícia Federal no episódio do grampo telefônico, envolvendo o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), a PF ficará numa "posição delicada". "Até que se prove o contrário, a própria Policia Federal é isenta. Mas não deixa de criar uma situação delicada como eu já disse".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.